Projetos Educativos para Crianças

Eliandro Maurat criou projetos educativos para crianças

Ele é o idealizador do Projeto Salva Vidas no Trânsito e da plataforma de jogos digitais Clubinho Salva Vidas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(Felipe Fittipaldi)

A vida do empresário Eliandro Maurat mudou depois que ele assistiu a um dos vídeos de Jaqueline Saburido, venezuelana que teve 60% do corpo queimado em um acidente de trânsito, provocado por um motorista alcoolizado. “Ela ficou com a aparência terrível, mas seu coração é de princesa”, compara Maurat. “Apesar das dificuldades, Jaqueline continua divulgando a mensagem: se beber, não dirija. É uma das pessoas mais maravilhosas que já vi”, afirma o empresário, que decidiu então se dedicar à mesma causa. Criou o blog Salva Vidas no Trânsito, em 2011, para discutir o tema e dar orientações. “Um dia, cheguei em casa e comentei com a minha esposa como era difícil sensibilizar as pessoas e modificar o comportamento dos adultos. Aí, meu filho, Luan, na época com 7 anos, sugeriu que eu falasse com as crianças”, relembra o empresário.
A ideia de Luan foi um divisor de águas para o projeto, que passou então a mirar o público infantil. “Se queremos um mundo melhor, temos de envolver as crianças no processo. Assim como ensinamos nosso filho a escovar os dentes e isso passa a ser automático, temos de ensiná-lo a usar cinto, a atravessar na faixa, a não beber antes de dirigir. Temos de mudar a nossa cultura”, diz.

“Se queremos um mundo melhor para as crianças, temos de envolvê-las no processo”

Pouco a pouco, o projeto foi se expandindo, ao incluir atividades como palestras gratuitas em escolas públicas. Junto com o filho, Maurat criou uma cidade virtual e roteirizou jogos educativos. Em seguida, entregou o desenvolvimento dos games a uma empresa especializada. Em meados de 2016, lançou a plataforma virtual Clubinho Salva Vidas (para computador e smartphone), voltada para a faixa de 5 a 10 anos, que complementa uma base multimídia formada também por um canal no YouTube, CDs e revistas. “Criamos o personagem Edu, cujo nome faz referência a educação, e atualmente falamos sobre outros assuntos, como meio ambiente e cidadania”, conta Maurat, que fez pós-graduação em planejamento e gestão de trânsito e vendeu uma empresa para investir no sonho de salvar vidas.

Fonte: http://vejario.abril.com.br/cidades/eliandro-maurat-criou-projetos-educativos-para-criancas/

Sem Comentários

Saiba para onde vai o dinheiro das multas de trânsito!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autor: Julyver Modesto de Araujo

A receita arrecadada com a cobrança de multas de trânsito tem destinação específica: a melhoria do próprio trânsito, o que, infelizmente, nem sempre é respeitado pelo Poder público, sendo muito comum que o pagamento das multas seja direcionado, automaticamente, para conta única do Governo do Estado ou Prefeitura, dificultando a verificação do cumprimento deste dispositivo, o que pode, por certo, ensejar questionamentos, seja do Ministério Público, seja do Poder Judiciário, seja do Tribunal de Contas e, principalmente, da sociedade.
    Um controle maior sobre os gastos ocorrerá a partir de 01NOV16, com a inclusão do § 2º ao artigo 320, pela Lei n. 13.281/16, pois os órgãos de trânsito passarão a ser obrigados a publicar, anualmente, na rede mundial de computadores (internet), dados sobre a receita arrecadada com a cobrança de multas de trânsito e sua destinação.
    O artigo 320, ao prever aplicação exclusiva, elenca quais são as situações em que se pode utilizar a receita das multas, as quais são detalhadas na Resolução do CONTRAN n. 191/06:
I – Sinalização: conjunto de sinais de trânsito e dispositivos de segurança colocados na via pública com o objetivo de garantir sua utilização adequada, compreendendo especificamente as sinalizações vertical e horizontal e os dispositivos e sinalizações auxiliares;
II – Engenharias de tráfego e de campo: conjunto de atividades de engenharia voltado a ampliar as condições de fluidez e de segurança no trânsito;
III – Policiamento e fiscalização: atos de prevenção e repressão que visem a controlar o cumprimento da legislação de trânsito, por meio do poder de polícia administrativa;
IV – Educação de trânsito: atividade direcionada à formação do cidadão como usuário da via pública, por meio do aprendizado de normas de respeito à vida e ao meio ambiente, visando sempre o trânsito seguro.
    Além da Resolução n. 191/06, outro documento importante que norteia a utilização deste dinheiro é a Portaria do DENATRAN n. 407/11, que aprova a “Cartilha de Aplicação de Recursos Arrecadados com as Multas de Trânsito”.
    Diante das condições estabelecidas acima, é questionável a utilização deste tipo de verba para obras viárias ou custeio do funcionamento do próprio órgão de trânsito; aliás, importante ressaltar que o orçamento destinado ao órgão de trânsito, muito embora leve em consideração a previsão de arrecadação de multas, não deve depender da imposição de penalidades, tendo em vista que se cria um círculo vicioso, no sentido de que o órgão fica dependendo da ocorrência de infrações, para que subsista, quando o que se espera do seu trabalho é, justamente, a mudança de comportamento dos usuários da via e, consequentemente, a diminuição dos atos irregulares praticados na condução de veículo.
    O parágrafo único do artigo 320 (a partir de 01NOV16, § 1º) ainda determina o repasse de 5% do valor das multas de trânsito ao Fundo Nacional de Segurança e Educação de Trânsito – FUNSET, sob gestão do Departamento Nacional de Trânsito e regulamentado pelos artigos 4º a 6º da Lei n. 9.602/98, com complemento do Decreto n. 2.613/98, o qual prevê que a finalidade deste Fundo é custear as despesas do Denatran, relativas à operacionalização da segurança e educação de trânsito.
    Tendo em vista este repasse, é comum algumas pessoas imaginarem que 5% das multas de trânsito deve ser utilizado no próprio trânsito, quando, na verdade, 100% do valor arrecadado deve ter esta destinação, com a única diferença que 95% sob responsabilidade do órgão de trânsito que aplicou a penalidade e 5% do Departamento Nacional de Trânsito.
    Por fim, cabe mencionar que o sistema de arrecadação de multas de trânsito e o sistema informatizado de controle da arrecadação dos recursos do FUNSET estão, atualmente, estabelecidos pela Resolução do CONTRAN n. 335/09 (alterada pela Resolução n. 524/15).
 _________________________________________________________________________
Capítulo XX – DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
 A receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito será aplicada, exclusivamente, em sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação de trânsito.

Parágrafo único. O percentual de cinco por cento do valor das multas de trânsito arrecadadas será depositado, mensalmente, na conta de fundo de âmbito nacional destinado à segurança e educação de trânsito.

Novos §§ 1º e 2º do artigo 320 (a contar de 01/11/16):
§ 1º O percentual de cinco por cento do valor das multas de trânsito arrecadadas será depositado, mensalmente, na conta de fundo de âmbito nacional destinado à segurança e educação de trânsito.

§ 2º O órgão responsável deverá publicar, anualmente, na rede mundial de computadores (internet), dados sobre a receita arrecadada com a cobrança de multas de trânsito e sua destinação.
(Redação dos §§ 1º e 2º do artigo 320 dada pela Lei n. 13.281/16)

Art. 320-A.  Os órgãos e as entidades do Sistema Nacional de Trânsito poderão integrar-se para a ampliação e o aprimoramento da fiscalização de trânsito, inclusive por meio do compartilhamento da receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito. (Artigo 320-A incluído pela Lei n. 13.281/16)
Fonte: http://www.ctbdigital.com.br/?p=Comentarios&Registro=100&campo_busca=&artigo=320

Sem Comentários

Aplicação do dinheiro de multas pode virar informação de divulgação obrigatória

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito podem ser obrigados a divulgar como aplicam o dinheiro arrecadado com multas. É o que sugere projeto que tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Pelo texto, a recusa em publicar essas informações pode se caracterizar como improbidade administrativa.

O PLS 567/2015 foi proposto pela senadora suplente Sandra Braga (PMDB-AM), acrescentando a obrigatoriedade de divulgação da destinação dos recursos provenientes de multas ao Código de Trânsito Brasileiro.

Pelo texto, os órgãos e entidades que compõem o Sistema Nacional de Trânsito deverão divulgar mensalmente a receita obtida com a aplicação de multas, a despesa executada e, se for o caso, os valores contingenciados.

O Sistema Nacional de Trânsito é composto pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), pelos conselhos estaduais e do Distrito Federal, pelos órgãos executivos de trânsito e rodoviários da União, estados, DF e municípios, pelas polícias Rodoviária Federal e Militares dos estados e do DF e pelas Juntas Administrativas de Recursos de Infrações.

A relatora do projeto, senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), emendou o projeto para fazer com que essa obrigação conste também da Lei de Acesso à Informação. Além disso, acrescentou dispositivo prevendo que a recusa em fornecer ou divulgar essas informações de forma completa é uma conduta ilícita dos agentes públicos responsáveis, que responderão por improbidade administrativa.

O PLS 567/2015 poderá entrar em pauta na CCJ a partir de fevereiro. Caso seja aprovado, seguirá diretamente para a Câmara dos Deputados.

Com informações da Agência Senado

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/agente-de-transito/aplicacao-do-dinheiro-de-multas-pode-virar-informacao-de-divulgacao-obrigatoria/

Sem Comentários

Investimento do bem

Projeto de entretenimento educativo e impacto social CLUBINHO SALVA VIDAS é destaque na primeira página do Boa Chance e na Revista de Domingo, na seção “Sei Lá Mil Coisas”. Jornal o Globo 15.01.2016

Sem Comentários

Gasolina comum ou aditivada? Veja como escolher

GASOLINA-COMUM-OU-ADITIVADA-1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com certeza, você já parou por um momento diante da pergunta do frentista: “é comum ou aditivada?”. Seja lá qual for a sua resposta costumeira, o fator mais importante é que a gasolina seja de qualidade e com procedência comprovada. Combustível com impurezas e misturado com água ou outras substâncias pode trazer uma dor de cabeça que você nem imagina: se você quer economizar combustível, veja nossas dicas – mas não ponha combustível com procedência duvidosa. Gasolina ruim pode prejudicar e até inutilizar o motor do seu carro, por isso a economia de hoje pode se transformar em um gasto enorme no futuro.

Mas, vamos falar sobre as diferenças entre a gasolina comum e a aditivada. Alguns especialistas recomendam que no dia-a-dia seja utilizada a gasolina comum (desde que seja de origem confiável, como dissemos) e que utilize a aditivada apenas esporadicamente para evitar um gasto desnecessário.

Limpeza e melhorias no desempenho

A gasolina aditivada apenas difere-se da comum pela presença de uma espécie de “sabão” (que é o aditivo), capaz de limpar o motor e as vias por onde passar, já que o combustível comum acaba deixando resíduos ao longo do tempo. Estas pequenas partículas acumulam-se no interior do motos, atrapalhando o seu desempenho e diminuindo sua vida útil. Por isso a aditivada entra como uma limpeza necessária de vez em quando, não sempre.

Uma boa dica é utilizar a gasolina com aditivo em um tanque a cada quatro abastecidos com o combustível comum.

Cuidado!

Se você sempre abasteceu seu carro com gasolina comum e quer passar a abastecer com gasolina aditivada, muita calma nessa hora. Se o seu automóvel receber aditivos depois de anos sem uma limpeza, pode ser que ocorra o entupimento dos bicos injetores e dos carburadores. Seria prejuízo na certa pra você!

Agora, se seu automóvel possui motor flex, fique tranquilo. Não há restrições em relação à mistura do etanol com gasolina. Pode-se usar tanto a comum quanto a aditivada sem problemas.

E o custo benefício?

Se você mora em uma grande cidade com trânsito caótico (Rio e São Paulo são ótimos exemplos), é possível que você dirija diariamente parando e acelerando várias vezes consecutivas. Neste caso, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) recomenda o abastecimento constante com gasolina aditivada para manter o motor sadio em condições desgastantes e ter uma maior economia.

Em estradas e situações onde o trânsito é livre e a velocidade alta, permanece a indicação da gasolina comum na maioria das vezes.

Para saber qual o tipo de combustível é mais indicado para o seu carro, consulte o manual do proprietário, que informa o total aproveitamento da potência do motor. Alguns fabricantes, principalmente de veículos importados, informam o valor da octanagem, cabendo ao usuário a escolha do tipo da gasolina dentre as opções disponíveis no país.

Fonte: https://www.bidu.com.br/blog/gasolina-comum-ou-aditivada/

Sem Comentários

Férias na estrada: atitudes recomendadas para garantir a segurança de todos

Conforme especialista, viajar sem pressa e durante o dia reduz riscos de acidentes

Por Mariana Czerwonka.

viagem-de-ferias_perkons

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As confraternizações de fim de ano acabaram, mas muitas famílias continuam aproveitando a alta temporada de verão e as férias escolares para pegar a estrada. Mais frequentes nessa época, os deslocamentos rodoviários aumentam os riscos de acidentes de trânsito. Conforme a assessoria de imprensa da Polícia Rodoviária Federal (PRF), entre dezembro de 2015 e janeiro de 2016, foram registradas 14.262 ocorrências nas rodovias federais. Embora seja alarmante, o dado revela uma redução de 28% se comparado ao mesmo período de 2014 e 2015. Para ajudar a diminuir ainda mais esses indicadores, a Perkons ouviu um especialista em acidentes de trânsito que elencou as principais posturas para garantir segurança na estrada durante as férias.

Não são apenas as atitudes nitidamente inadequadas e sujeitas à punição pela legislação de trânsito, como exceder a velocidade permitida, as causadoras de acidentes. Aquelas que são fruto de descuido e desatenção do condutor, como, por exemplo, deixar de checar as condições do veículo, também engrossam as estatísticas.

As ocorrências mais graves tendem a acontecer com o tempo favorável, quando o motorista se sente seguro para desafiar a velocidade. Mas a despreocupação em relação ao estado dos pneus, freios, direção e suspensão também pode determinar um acidente, detalha o perito criminal e especialista em acidentes de trânsito, Rodrigo Kleinubing.

O nível de óleo e o risco de superaquecimento do carro também merecem atenção especial em temporadas de veraneio, quando os deslocamentos costumam ser maiores e em maior número do que o habitual. “Para eliminar essas possibilidades o ideal é que o motorista leve o veículo para uma manutenção preventiva na oficina, que costuma já ter um checklist específico para as férias”, destaca.

Viajar à noite é outro comportamento que deve ser revisto.  “É de extrema importância evitar deslocamentos noturnos, quando se tem menos visibilidade e a inadequação da sinalização das vias fica evidenciada. Mesmo de dia, o uso do farol, agora obrigatório, é um avanço em termos de segurança viária, pois aumenta a visualização do veículo pelos demais usuários da via”, orienta. Kleinubing pondera que, apesar dos riscos, viajar à noite é a alternativa de muitos condutores para fugir de horários de rush. “Dirigir durante a noite ou em dias de pico tornam o deslocamento mais cansativo e arriscado. Planejar a viagem e conhecer o trajeto é essencial para antecipar ou prorrogar a ida e a volta, se preciso”, recomenda.

Atitudes concretas também devem ser direcionadas aos cuidados com os demais passageiros, sejam eles crianças ou animais de estimação. Foco de distração para o motorista, esses ocupantes devem ser transportados com ainda mais segurança. “É importante respeitar a capacidade máxima de pessoas do veículo e acomodar crianças nas cadeirinhas e animais em caixas de transporte adequadas. Todos sempre com cinto de segurança”, orienta o perito. As bagagens, por sua vez, não podem obstruir a visão do motorista em hipótese alguma.

Mais importante do que o excesso de bagagens é a maneira como são transportadas, pois em caso de colisão, podem ser arremessadas, agravando o acidente ou provocando outro, frisa.

Velocidade excessiva é uma das principais causas de acidentes também nas férias

Kleinubing ressalta que, embora apresente menor gravidade, a ocorrência mais comum durante as festas de fim de ano, férias escolares e Carnaval envolve colisões traseiras, que apenas em janeiro de 2016 foi registrada 1735 vezes em ocorrências de todo país. Ele atribui a alta incidência à combinação entre engarrafamentos e desrespeito à distância mínima entre os veículos. “Mas são as colisões frontais, laterais e as saídas de pista, respectivamente, as que mais matam nas estradas, pois geralmente envolvem excesso de velocidade”, compara.

Conforme a PRF, somadas à adoção de velocidades incompatíveis com a via, outras grandes motivadoras de acidentes de trânsito durante o período são a falta de atenção e a ingestão de álcool. “Deve ficar claro para o motorista que exceder a velocidade nunca vale à pena; além de gastar combustível, provoca um ganho de tempo mínimo. E, nos casos de ultrapassagens, o motorista precisa ter consciência de que, quando proibida ou mal realizada, a manobra pode ser fatal”, acrescenta Kleinubing.

Fonte:  http://portaldotransito.com.br/noticias/ferias-na-estrada-atitudes-recomendadas-para-garantir-seguranca-de-todos/

Sem Comentários

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia!

queda-de-aviao-da-chapecoense

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de 2 aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense, dirigentes e convidados (77 pessoas). O mesmo que um avião lotado da Azul que faz a ponte Navegantes/São Paulo. Em 2014 foram mais de 43 mil vidas perdidas. E já foi pior: pelas contas de 2012, quando 61 mil pessoas perderam a vida no trânsito brasileiro, esse número chegaria a 3,6 aviões da empresa boliviana ou a um avião da Malasya Airlines, com 298 passageiros. Por ar ou por terra, não importa: toda vida tem o mesmo valor, a dor e o sofrimento são enormes e parecem sem fim. Na vida e na morte somos todos iguais. Então, porque parece que as pessoas se comovem mais com os acidentes aéreos do que com os acidentes de trânsito?

Os aviões são considerados o meio de transporte mais seguro do mundo. Não é todo dia que cai um avião. Pelo contrário, os veículos terrestres, apesar de toda a tecnologia embarcada e os sistemas de segurança, não são tão seguros. Todo dia provocam-se acidentes de trânsito e vidas são ceifadas. É uma morte a cada 12 minutos no Brasil e um sequelado permanente por minuto. Talvez, a questão esteja no modo como se percebe a dimensão das tragédias.

A morte coletiva em acidentes aéreos ou terrestres parece chocar mais, causar mais comoção e a despertar mais a sensibilidade das pessoas para a dor do outro, das famílias e para a própria dor.

Se do acidente de trânsito resulta uma única vítima o fato parece ser normal, por mais grave que seja. Alguns entendem como sendo mais uma ocorrência, mais uma morte na rotina diária das vias. Já quando uma família inteira é dizimada, as pessoas parecem se comover mais. Esse número de pessoas sensibilizadas aumenta quando se trata de vítimas de acidentes envolvendo ônibus, trem, metrô ou embarcações.

Enquanto no desastre aéreo o fato mais chocante é a morte coletiva em que todo o grupo perde a vida ao mesmo tempo, nos acidentes de trânsito as perdas são individuais e pulverizadas. Ainda que no final de cada dia e a cada ano se contabilize muito mais mortes no trânsito do que as causadas por acidentes aéreos. Estamos falando aqui do equivalente aos ocupantes de um Boeing 737 da Gol ou dois aviões da Lamia por dia!

Seja em acidentes aéreos ou de trânsito, a dor e o sofrimento nos tornam iguais. A fragilidade do corpo humano continua a mesma diante do impacto, dos ferimentos e das sequelas, sejam elas físicas ou emocionais.

Dói, nos destroça e causa tamanha dor saber que daqui a 8 meses um bebê virá ao mundo fadado a jamais conhecer o pai. Será assim com o filho do jogador que perdeu a vida no desastre de avião em uma repetição de dezenas de mortes em acidentes de trânsito por dia no país que deixam muitos outros órfãos.

Assim como em desastres de avião, as mortes no trânsito também despedaçam o coração  de quem assiste pessoas tão jovens, no auge da carreira, tão cheios de vida, de planos e de sonhos irem embora cedo demais.

Nos sensibiliza e nos toca tanto a morte dos jogadores, dirigentes, jornalistas e convidados que é como se nos sentíssemos parte da família deles. É como se tornar-se torcedor da Chapecoense fosse uma forma de fazer alguma coisa, de demonstrar a nossa solidariedade, o nosso carinho, a nossa empatia. Soa acolhedor como um abraço nessa hora tão difícil para todos!  Mas, porque não conseguimos abraçar as vítimas e as famílias igualmente órfãs em acidentes de trânsito?

O nosso estado barriga-verde, do alto de sua dor e comoção, vestiu o manto verde da Chapecoense, assim como o nosso país e o mundo. Por mais que tentemos, continuaremos sem saber o que fazer para expressar o quanto estamos sofrendo. Mas, não podemos esquecer daqueles que sofrem as perdas diárias também por terra.

Escrevi esse post na tentativa de expressar a dor, a comoção e de levar a minha solidariedade às famílias, aos torcedores, para reverenciar a memória dos jogadores da Chapecoense e dos demais passageiros do voo da Lamia. Mas, também, para lembrar que a nossa humanidade, a nossa empatia, a nossa solidariedade e a nossa capacidade de comover-se e identificar-se com a dor do outro precisa ser um exercício diário no país que enterra mais de 43 mil corpos recolhidos das vias por ano.

Choramos hoje a dor sem fim da morte de 71 vidas que estavam no voo da Lamia. Não podemos esquecer que no Brasil morre em acidentes de trânsito o equivalente a dois aviões como este lotados. Por dia!

Se na dor, no sofrimento, na morte e na tentativa de continuar seguindo em frente faltando um pedaço somos todos iguais, porque as vidas perdidas em vias terrestres não comovem tanto?

Fonte: http://portaldotransito.com.br/opiniao/educacao-de-transito/morre-no-transito-o-equivalente-2-avioes-da-lamia-lotados-por-dia/

Sem Comentários

Pai e filho criam game educativo sobre trânsito e cidadania

O Clubinho Salva Vidas promove jogos para as crianças se conscientizarem sobre os problemas da cidade

Jornalista Nicole Wey

Redação Pequenas Empresas & Grandes Negócios

salva_vidas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Clubinho Salva Vidas foi pensado por Eliandro e seu filho (Foto: Divulgação)

No Brasil, 130 pessoas morrem todos os dias por conta de acidentes de trânsito, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2015, foram 43 mil mortos e 515 mil pessoas com invalidez permanente no país.

Apesar de  chocantes, estes dados podem passar batidos por muitas pessoas. Mas um empreendedor atento resolveu mudar esta realidade. Em 2014, Eliandro Maurat, 41 anos, lançou o Clubinho Salva Vidas, um portal com games educativos para conscientizar as crianças a respeito dos problemas de trânsito.

A história do Clubinho começou em 2010, quando Maurat assistiu a um vídeo inspirador na internet. “Vi a história de Jaqueline Saburido, uma jovem venezuelana que teve 60% do corpo queimado quando um motorista bêbado atingiu seu carro. Fiquei tão sensibilizado com a história que comecei a investigar mais sobre como os acidentes afetam o Brasil”, afirma o empreendedor.

Imerso em dados e pesquisas, o empreendedor começou no ano seguinte o Projeto Salva Vidas no Trânsito. “Procurei o corpo de bombeiros para entender melhor a dinâmica dos resgates e os chamei para se juntarem a mim no projeto. Fizemos um site e passamos a palestrar em escolas, instituições de ensino e empresas sobre os riscos e acidentes de trânsito e como evitá-los”, diz.

Apesar de estar feliz com o resultado, o insight decisivo para o futuro do projeto veio do filho de Maurat, de sete anos. “Um dia, passamos por um acidente de trânsito e eu comentei como era difícil mudar a cabeça das pessoas. Meu filho então falou: ‘pai, se não dá para falar com os adultos, que tal falar com as crianças?’. Nesse momento, entendi que precisava agir na base, conscientizar desde o início os futuros cidadãos a serem agentes de mudança”, afirma Maurat.

O empreendedor e o filho sentaram juntos e desenvolveram o projeto focado nas crianças. “Investi R$ 200 mil e eu mesmo desenvolvi a primeira versão do portal Clubinho Salva Vidas.”

No portal, as crianças encontram uma cidade com joguinhos e personagens. Elas recebem penalidades por cada coisa errada que fazem, assim como recebem moedinhas quando acertam. Edu, o personagem principal do jogo, é quem fala diretamente com as crianças.

Além do portal, o projeto conta com os teatros educativos em escolas (Foto: divulgação)

O acesso ao site é gratuito e está disponível em inglês e português. Segundo o empreendedor, o portal já atinge crianças de todo o Brasil, além de países como Índia, Estados Unidos, França e Portugal, entre outros. “Quando tentamos cobrar pelos jogos, muitas crianças mandavam e-mail, dizendo que os pais não queriam pagar, então decidimos que para impactar o maior número de crianças, precisávamos fazer algo gratuito”, afirma o empreendedor. Hoje, os jogos do portal são recomendados para crianças a partir de 6 anos.

Conforme o projeto foi ganhando corpo, Maurat pediu demissão de sua antiga emprego e passou a se dedicar exclusivamente ao Clubinho Salva Vidas. “O problema é que eu não tinha mais recursos para investir, então passei a buscar investidores”, afirma.

No final de 2015, seis sócios se juntaram a empresa e investiram mais R$ 600 mil no projeto. “Conseguimos investir em outras áreas e buscamos novas formas de monetizar a empresa. Hoje, contamos com animações no YouTube, com músicas originais nossas, vendemos DVDs e também gibis e revistas para colorir. Muitas escolas nos contratam para levarmos o teatro educativo que fazemos. Elas pagam R$ 30 pelo kit com para dar um kit de produtos para cada criança e o teatro já está dentro desse pacote”, afirma Maurat.

O empreendedor revela que o faturamento oscila todos os meses, dependendo de quantos eventos realizam e o número de kits vendidos. “Em 2017, vamos fazer outro DVD, com músicas compostas por Michael Sullivan, que compôs várias músicas para a Xuxa, por exemplo. Já tivemos mais de 200 mil acessos no site até maio deste ano e esperamos aumentar esse alcance para o próximo ano, além de poder realizar os teatros em todo o Brasil.  Acreditamos na mudança na sociedade impactando as crianças, que são os melhores agentes de mudança que podemos ter”, afirma.

Fonte:  http://revistapegn.globo.com/Empreendedorismo/noticia/2016/12/pai-e-filho-criam-game-educativo-sobre-transito-e-cidadania.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compartilharMobile

Sem Comentários

Estatísticas mostram queda de acidentes em vias que tiveram redução de velocidade

Um levantamento realizado recentemente pelo Batalhão da Polícia de Trânsito confirmou uma redução de 28,9% nos acidentes na Área Calma, polígono na região central de Curitiba no qual a velocidade máxima permitida é de 40km/h. Foto: Luiz Costa/SMCS


Foto: Luiz Costa/SMCS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Muitos não acreditaram, foram contra a implementação e reclamam até hoje, mas os resultados em várias cidades que tiveram o limite de velocidade reduzido em determinadas vias é surpreendente. “A redução e o controle de velocidade são as ferramentas ideais para reduzir congestionamentos, acidentes e ainda poluir menos”, afirma Celso Alves Mariano, especialista em trânsito e diretor do Portal.

A cidade de São Paulo é um caso emblemático. Apesar de toda crítica pela decisão, depois de um ano de velocidade reduzida nas Marginais Pinheiros e Tietê, o número de acidentes com vítimas (mortas ou feridas) caiu 37,5% nas vias, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Em Curitiba, onde essa medida também foi implantada, a região da chamada Área Calma, com limite de 40 km/h, seguiu a mesma tendência e teve uma queda de 32,54% no total de atendimentos de acidentes no local e de 24,21% no total dos registros de acidentes do que nos 11 meses anteriores à implantação do projeto, segundo dados do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) para o projeto Vida no Trânsito.

Não é só no Brasil que há exemplos bem sucedidos, também é o caso de Londres, cidade que, segundo estudos, conseguiu reduzir em 40% o número de mortos e feridos graves em acidentes de trânsito. A conquista se deve à implementação do limite de 32 km/h em ruas e avenidas estratégicas da capital inglesa, que começou a ser implantado nos primeiros anos do mandato do ex-prefeito Boris Johnson.

Organização Mundial de Saúde

Essa medida não é um fato isolado. Existem vários estudos internacionais que comprovam a eficácia da redução dos limites de velocidade. Segundo relatório pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), medidas de prevenção como adotar limites máximos de velocidade em vias urbanas inferiores ou iguais a 50 quilômetros por hora, entre outras, são essenciais para reverter o crescente número de mortes por lesões causadas no trânsito.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/educacao/programa-nos-do-transito/estatisticas-mostram-queda-de-acidentes-em-vias-que-tiveram-reducao-de-velocidade/

Sem Comentários

“Ela não queria…”: pais criam campanha para alertar sobre a importância do uso da cadeirinha

emily-800x445

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ela não queria… eu aceitei e nós a perdemos. Use a cadeirinha”. O alerta, feito pelos empresários Sandra e Rembrandt Cordeiro, pode ser lido em um outdoor na cidade de Barreiras (BA) e em postagens no Facebook. Em 2009, o casal perdeu a filha caçula Emilly Raquel, na época com 3 anos, em um acidente de trânsito e, desde então, decidiu criar uma campanha para conscientizar as pessoas em relação à segurança de crianças dentro do carro.

Quando o acidente ocorreu na BR 242, próximo a cidade de Ibotirama (BA), Emilly não usava a cadeirinha e foi a única vítima fatal. No carro, que capotou por causa de uma depressão da pista em obras, também estavam a mãe, a tia, grávida de 3 meses, e o tio da menina. A família voltava de uma visita de fim de semana à casa dos avós. “Tem dias que a saudade é tão intensa que dói, chega a arder”, contou Sandra em entrevista a CRESCER. “Mas a fé que tenho no nosso reencontro e o apoio de minha família é o que me faz suportar a partida do nosso anjo”.

Fonte: http://blogsupermae.com/ela-nao-queria-pais-criam-campanha-para-alertar-sobre-importancia-do-uso-da-cadeirinha/

Sem Comentários