Arquivo para a categoria Reportagens

10 anos da Lei Seca – Veja o que pode e o que não pode.

Antes mesmo do novo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), de 1997, a legislação já proibia dirigir depois de beber álcool, embora a fiscalização fosse frágil e sem métodos de comprovação.

Em 1997, essa história mudou, mas foi só em 2008 que entrou em vigor a chamada Lei Seca, que reduziu a tolerância para a quantidade de álcool no organismo. Desde então, mais de 1,7 milhão de autuações foram feitas no país, segundo um levantamento do G1.

No entanto, essa lei ainda tinha brechas permissivas, que foram reduzidas em 2012 e 2016, ano em que todas as multas subiram de valor, aumentando o peso da punição.

Como é a Lei Seca agora?

De acordo com o artigo 165 do CTB, o condutor flagrado dirigindo sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência comete uma infração gravíssima.

Qual é a punição o motorista que for pego embriagado?

Atualmente, a multa gravíssima é de R$ 293,47, mas a nova Lei Seca multiplica esse valor por 10, chegando a R$ 2.934,70.

Além da punição no bolso, o motorista tem a CNH recolhida e responde a um processo administrativo que leva a suspensão do direito de dirigir por 12 meses – depois de todos os recursos possíveis. O veículo também é retido até que um outro condutor habilitado se apresente.

Se o motorista for flagrado novamente dirigindo embriagado dentro de 1 ano, a multa será dobrada, para R$ 5.869,40, e a CNH pode ser cassada.

Mas qual é o limite para beber e dirigir?

Não há tolerância para qualquer nível de concentração de álcool no corpo. Existe apenas uma margem de erro definida pelo Inmetro para os bafômetros, por isso a infração é confirmada se o resultado do teste for igual ou superior a 0,05 mg/L de ar expelido.

Se eu tiver tomado uma cerveja e meus reflexos parecem estar em perfeitas condições, ainda assim serei multado?

Sim. O motorista que consumir álcool e for flagrado ao volante será punido, mesmo que não esteja dirigindo de forma mais perigosa.

Quanto tempo leva para o álcool ser eliminado do corpo?

Não há um tempo exato, porque fatores como idade, sexo, peso e estômago cheio, entre outros, podem alterar medição – em alguns casos até dobrando o tempo.

Em testes, uma quantidade de uísque de 100 ml, o equivalente a 2 latas de cerveja ou 2 taças de vinho, levou até 5 horas para ser eliminada do organismo, mas algumas pessoas levaram a metade do tempo e outras muito mais.

Na verdade, como a variação é muito grande de pessoa para pessoa, a única forma segura de escapar do bafômetro é não beber e dirigir.

E se eu comi um bombom de licor?

Quantidades pequenas de álcool são eliminadas mais rapidamente. Se você comeu o bombom poucos minutos antes de uma blitz, é possível que o bafômetro acuse algum sinal de álcool suficiente para levar multa. Mas é possível repetir o teste depois de 15 minutos para confirmar a medição.

Em testes, voluntários consumiram bombom de licor e usaram enxaguante bucal com álcool. O bafômetro acusou a presença, mas depois de 25 minutos todos registraram zero no teste.

E se eu me recusar a soprar no bafômetro?

O motorista que se negar a fazer o teste, mesmo que não aparente embriaguez, é punido da mesma forma que o motorista alcoolizado, ou seja, multa de R$ 2.934,70, suspensão por 12 meses e retenção do veículo.

A nova regulamentação também permite que a autoridade possa constatar embriaguez se houver alteração da capacidade psicomotora(cambalear, sonolência, hálito, atitude, desorientação, etc) ou até por meio de imagem, vídeo ou testemunho.

Para confirmar a alteração, a autoridade deve considerar não somente um sinal, mas um conjunto de sinais, e incluir a descrição no auto da infração.

Posso ser preso?

Sim. O motorista que for flagrado com concentração igual ou superior a 0,3 mg de álcool por litro de ar ou de 0,6 g/L no sangue pode ser multado pelo artigo 165 e também enquadrado em crime de trânsito (artigo 306).

Neste caso, a autoridade também pode constatar embriaguez com observação de sinais de alteração da capacidade psicomotora.

Se for constatada a embriaguez nestes níveis, o condutor é levado a uma delegacia, onde é aberto um inquérito e o Ministério Público decide se faz uma denúncia, que em seguida é aceita ou não por um juiz.

Se não houver acidente com vítima, o delegado pode estipular uma fiança, e o acusado que pagar responde ao processo em liberdade.

A pena para esse crime é de detenção de 6 meses a 3 anos, multa e suspensão temporária da carteira de motorista ou proibição permanente de se obter a habilitação.

No entanto, é muito difícil o motorista voltar à prisão ao final do processo. Mesmo se for condenado, a punição pode ser revertida em prestação de serviço à comunidade ou pagamentos de cestas básicas, por exemplo.

E se o motorista embriagado se envolver em acidente com vítima?

Se causar morte (homicídio culposo) e for pego em flagrante, o motorista é levado a uma delegacia, mas uma fiança só pode ser estipulada por um juiz durante audiência. Desse modo, a liberação não é imediata.

A lei define pena de 5 a 8 anos de prisão, mas ainda pode ser convertida em pagamento de cestas básicas ou trabalho comunitário ao final do processo.

Nos casos em que há lesão grave (feridos sem intenção), a punição é de 2 a 5 anos. Nestes casos, o delegado também não poderá conceder fiança.

Fonte: https://g1.globo.com/carros/noticia/lei-seca-ficou-mais-rigida-nos-ultimos-anos-veja-o-que-pode-e-o-que-nao-pode.ghtml

 

Sem comentários

Três perguntas para Eliandro Maurat, criador dos projetos “Clubinho Salva Vidas” e “Salva Vidas no Trânsito”

Personagens, músicas, histórias e jogos que ensinam crianças a adotarem, desde cedo, um comportamento mais seguro no trânsito. Essa é a aposta do “Clubinho Salva Vidas”, projeto criado pelo empreendedor de impacto social e palestrante Eliandro Maurat, que complementa uma base educativa multimídia para a faixa etária de 5 a 10 anos, formada por games em aplicativos, site, canal no YouTube e revistas em quadrinhos.

Maurat é vencedor de prêmios nacionais como a Medalha George March, o prêmio Lions de Educação para o Trânsito, a Maratona de Negócios Sociais Sebrae – RJ, além de menção honrosa pela Câmara dos Deputados do Estado do Rio de Janeiro. Nessa entrevista, Eliandro conta mais detalhes sobre a iniciativa e fala sobre a importância da educação no trânsito desde a mais tenra idade. Confira abaixo.

Por que você decidiu investir em um projeto de educação no trânsito para crianças, o “Clubinho Salva Vidas”?

O Clubinho foi fundado a partir da minha inconformidade com os dados alarmantes do trânsito brasileiro que, atualmente, mata mais do que muitas doenças. Hoje, o Brasil está em 5º lugar no ranking mundial de acidentes fatais no trânsito. Esses índices levam à reflexão de que precisamos educar na infância, utilizando ferramentas inovadoras que sejam capazes de ensinar crianças a se tornarem adultos mais responsáveis e conhecedores de seus direitos e deveres. Através dessa reflexão e com uma pequena ajuda do meu filho, então com 7 anos, enxergamos que a melhor forma de reforçar valores éticos e morais está no ato de educar. Assim como ensinamos os filhos a escovar os dentes e isso vira uma ação automática, também podemos ensinar a usar o cinto de segurança, atravessar na faixa de pedestres, respeitar o sinal. As ações deram tão certo que logo vi a oportunidade de ampliar esses valores, e hoje todas as ações e esforços do Clubinho buscam também o respeito ao meio ambiente, à segurança, à vida e a um mundo mais consciente, seguro e feliz.

O “Clubinho Salva Vidas” conta com personagens, música e iniciativas que colaboram para o desenvolvimento de habilidades motoras e sociais com uma solução criativa, que são os jogos. Na sua opinião, o lúdico colabora para o aprendizado?

Sim. Os games educativos proporcionam às crianças um ambiente de aprendizagem rico em informações e simples na forma de jogar. Estes ambientes são denominados de “micromundos”, porque fornecem um mundo imaginário a ser explorado e no qual as crianças podem aprender, brincando. Os jogos educativos psicopedagógicos servem para estimular a imaginação infantil, auxiliar no processo de integração em grupo, liberar a emoção e facilitar a construção do conhecimento auxiliando na autoestima.

Professores e pesquisadores observaram que os jogos educativos desenvolvem outras habilidades como, por exemplo resolução de problemas, comunicação, colaboração, negociação e motivação em aprender diversas matérias ao mesmo tempo em que estão se divertindo. Os jogos foram desenvolvidos para crianças, mas percebemos que muitos adultos se identificaram com os games que trazem desafios divertidos e educativos.

Além do “Clubinho Salva Vidas”, você também é autor do “Projeto Salva Vidas no Trânsito”. Em que consiste esse projeto? Como você acredita que ele pode ajudar a mudar a realidade de violência no trânsito?

Através de campanhas de conscientização, o objetivo deste projeto é despertar nas pessoas a valorização e preservação da vida, através de pequenas atitudes que fazem a diferença. Acredito que podemos e devemos colaborar para melhorar a qualidade de vida e reduzir os índices de incidentes de trânsito no Brasil. A educação bem disseminada é capaz não só de promover a mudança no comportamento de pedestres e motoristas, mas também, fortalecer o conceito de cidadania, buscando a tão esperada paz no trânsito.

Clique aqui para conhecer o “Clubinho Salva Vidas”, iniciativa que leva educação de trânsito através da gamificação. Para conhecer o “Projeto Salva Vidas no Trânsito”, clique aqui.

Fonte: http://www.seguradoralider.com.br/pages/newsletter-detalhe.aspx?cid=103

 

Sem comentários

O que todas as grávidas devem saber antes de dirigir

Uma das perguntas que as mulheres fazem depois de descobrirem a gravidez é: posso dirigir com segurança? Não há uma única resposta. Nem sim nem não. Embora essa seja uma decisão individual, é indicado consultar cada caso específico com um médico, pois existem algumas variáveis e possíveis riscos que devem ser levados em consideração.

De acordo com Eliane Pietsak, especialista em trânsito e consultora do Portal, não há uma norma que especifique em que semana de gestação a futura mamãe não poderá mais dirigir.

O Código de Trânsito Brasileiro não proíbe a gestante de dirigir, mas tudo é uma questão de bom senso, a grávida deve refletir se está se sentindo bem para isso.

Algumas mudanças físicas na mulher podem contribuir com o aparecimento de sintomas que tornam o ato de dirigir mais difícil. Nos primeiros meses a mulher tende a sentir muitas náuseas, enjoos e tonturas. Já no final da gestação, a sonolência também é um fator de risco. Pesquisa do Canadian Medical Association Journal revelou que grávidas têm 42% mais chance de envolvimento em acidentes graves de trânsito, risco intensificado após o quarto mês de gestação, devido aos sintomas citados acima.

O essencial é que a gestante se sinta confortável nessa situação e siga algumas dicas de segurança:

– Não dirija por longas distâncias.

– Evite jejum, calor ou frio excessivos;

– Se puder escolher, melhor ser passageira do que motorista;

– Se for passageira, não desative o airbag;

– Mantenha uma separação do volante de pelo menos 15 centímetros, com o banco um pouco afastado, mas de forma com que alcance os pedais;

– Se possível, levante o volante para que não fique na altura do abdômen;

– Evite o banco do carro em um ângulo reto, melhor que esteja um pouco inclinado para trás.

Não há evidências de que variações no humor da gestante influenciem a segurança no trânsito.
Cinto de segurança

Outro assunto tabu é o uso do cinto de segurança. De acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina, muitas mulheres ignoram a forma correta, o posicionamento e as exigências legais da utilização do cinto de segurança.

Além disso, muitas delas não usam alegando desconforto e medo de prejudicar o feto, porém o cinto de segurança é fundamental e obrigatório para todo mundo, inclusive às gestantes. “O ideal é utilizar sempre o cinto de 3 pontos.

A faixa diagonal do cinto deve cruzar o meio do ombro, passando entre as mamas (nunca sobre o útero) e a faixa sub-abdominal deve estar tão baixa e ajustada quanto possível”, conclui Pietsak.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/o-que-todas-as-gravidas-devem-saber-antes-de-dirigir/

Sem comentários

Trânsito é a principal causa de morte acidental entre crianças de zero a 14 anos no Brasil

Os acidentes que mais matam crianças no país são queda, afogamento, sufocação, queimadura, envenenamento e trânsito. De todos, o trânsito é o maior ofensor. De acordo com dados da ONG Criança Segura, entre 2014 e 2015, houve uma diminuição desses casos e os óbitos passaram de 1.654 para 1.389 – o que representa uma redução de 16%.  No entanto, apesar desta redução, os sinistros em ruas, estradas e rodovias ainda são o tipo de acidente que mais provoca mortes acidentais de crianças até 14 anos no Brasil. As estatísticas, altas e assustadoras, podem ser revertidas com mais consciência, respeito às leis de trânsito e educação.  É o que diz o especialista ouvido pela Perkons, empresa que desenvolve e aplica tecnologia para a segurança no trânsito.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertou sobre os cinco principais fatores que causam acidentes de trânsito: excesso de velocidade, associação de bebida alcoólica e direção, a falta de uso de capacete, cinto de segurança e equipamento de retenção de crianças. A opinião de Renato Campes Trini, gerente técnico da Organização Nacional de Segurança Viária (ONSV), corrobora com isso. Ele afirma que o transporte de crianças de forma negligente é a principal causa dos acidentes com esse público. Apesar da resolução Nº 277 do Conselho Nacional de Trânsito (COTRAN), conhecida como Lei da Cadeirinha, publicada em maio de 2008, os pais e responsáveis muitas vezes não respeitam as condições mínimas de segurança para o transporte de passageiros com idade inferior a dez anos.  “Os pais precisam tomar atitudes preventivas, usar os equipamentos de segurança e contribuir para salvar vidas. Quando saímos nas ruas, é fácil flagrar crianças soltas no carro e até com a cabeça para fora dos veículos”, diz Trini.

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina no artigo 64 que até os dez anos de idade as crianças devem ser conduzidas no banco traseiro, em dispositivos próprios para sua idade, peso e tamanho.  Bebês de até 9 kg precisam de uma cadeira do tipo “bebê-conforto”, instalada de costas para o painel do carro. A partir de um ano, as crianças devem utilizar, obrigatoriamente, a cadeirinha. E, quando completam quatro anos, devem passar para o assento de elevação, exigido até os sete anos de idade.

Para o gerente técnico da ONSV, além de obedecer as leis de trânsito de maneira geral, conscientizar e educar pelo exemplo cumpre um papel fundamental. “Precisamos mostrar às crianças os riscos que o trânsito representa e os direitos e deveres delas nesse contexto. Enquanto as escolas não contarem, na grade curricular, com uma disciplina para a formação no trânsito, mesmo sem esse apoio os pais devem cumprir essa função, dando o exemplo e mantendo uma postura firme”, destaca Trini.

O exemplo vem de casa

Na família da professora universitária Mariana Sbaraini Cordeiro, mãe do Pedro, de 18 anos, e da Izadora, de 11 anos, o trânsito é encarado com seriedade e responsabilidade. Ela ensina os filhos sobre o papel de cada um no trânsito desde pequenos. Os dois sempre andaram na cadeirinha e usaram cinto de segurança.

Nunca abrimos mão dos dispositivos de segurança; eles aprenderam que são indispensáveis mesmo em trajetos curtos, por uma quadra”, conta a professora.

Para ela, o maior desafio na educação dos filhos quando o assunto é o trânsito, é a falta de suporte do poder púbico. “As crianças aprendem que é preciso atravessar somente na faixa. Mas, e quando a faixa não está pintada ou visível na rua? Além da infraestrutura precária das vias públicas, faltam campanhas educativas com apelo visual e linguagem lúdica, dirigida às crianças”, opina Mariana.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/transito-e-principal-causa-de-morte-acidental-entre-criancas-de-zero-14-anos-no-brasil/

Sem comentários

Mulher ao volante perigo constante. Será?

O texto traz um breve olhar sobre a longa jornada dessa relação mulher e trânsito, foi em 1885 que a primeira mulher conduziu um automóvel, a alemã Berta Benz, esposa do fundador da Mercedes-Benz e desde então não pararam mais. Elas também contribuíram para uma melhor qualidade na forma de conduzir um carro, como a americana Mary Anderson, que em 1903 inventou o limpador de pára-brisa utilizado até hoje.
Desde nossos ancestrais é perceptível entres homens e mulheres as diferenças comportamentais, determinando tarefas e funções para sobrevivência. Como os homens eram os caçadores eles precisavam explorar os aspectos que o cérebro poderia oferecer, como a percepção espacial, que é mais desenvolvida do que nas mulheres. Estas por sua vez despertaram o lado cerebral da proteção e cuidado, uma característica trazida até hoje, sendo bastante visível no trânsito.
Como vimos, não é de hoje que as mulheres demonstram uma conexão com o mundo automobilístico e do trânsito, como a Duquesa Anne d’Uzés que foi a primeira mulher a obter habilitação para dirigir na história, em 1898 na França. Também foi a primeira mulher a receber uma multa de trânsito, pois ela trafegava a 15 km/h e o limite permitido nas ruas era de 12 km/h. Isso mostra que até para ser transgressora a mulher é muito cuidadosa demonstrando essa seguridade para encarar a direção veicular e o trânsito.
No Brasil as pioneiras a conseguir habilitação para dirigir foram Maria José Pereira Barbosa Lima e Rosa Helena Schorling no ano de 1932 em Vitória (ES). Schorling conseguiu ainda a habilitação para motos em 1933, esse feito despertou as mulheres, mostrando ter condições, capacidade e habilidade para exercer um ótimo desempenho como condutoras.
As diferenças comportamentais entre homens e mulheres são bem visíveis na dinâmica do trânsito, o homem é mais dominador, agressivo, ágil, compulsivo para velocidade, enquanto a mulher é mais passiva, cautelosa, conduzindo com prévio planejamento e segurança, mantendo uma tendência mais respeitosa no trânsito.
Quando nas brincadeiras das rodas de amigos começam as comparações e se questiona o desempenho dos homens e mulheres, surgem logo as piadas e comentários sobre quem dirige melhor. Observando os dados estatísticos mais recentes do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), dos mais de 60 milhões de motoristas no Brasil, quase 20 milhões são do sexo feminino, 71% dos acidentes são provocados pelos homens e apenas 11% pelas mulheres, sem contar que 70% das multas são para motoristas do sexo masculino.
Basta observarmos nos dados estatísticos que a mulher é dotada de características próprias ao enfrentar a direção veicular e o trânsito. A mulher pode parecer mais lenta na dinâmica do trânsito, mas isso não desvaloriza a sua capacidade como operadora de máquinas sobre rodas. Então, como ficam os questionamentos mulher ao volante perigo constante? Será uma questão apenas de uma competição pueril entre homens e mulheres? Questionamentos a parte, o que devemos levar sempre em consideração é a dinâmica no trânsito, onde cada um pode oferecer o melhor para obter o melhor.
MELISA PEREIRA – Psicóloga Clínica, Organizacional e Trânsito.

Fonte: http://www.saladetransito.com/2017/12/mulher-ao-volante-perigo-constante-sera.html

Sem comentários

Já pensou em dirigir um veículo com o poder da mente? Ou comprar um carro dobrável? Veja o que a indústria automotiva está planejando

 

Dirigindo com o poder da mente
A montadora japonesa Nissan vem desenvolvendo uma tecnologia chamada de “Brain-to-Vehicle” (cérebro para veículo) que irá permitir que os automóveis sejam controlados pelo poder da mente dos seus motoristas. A tecnologia funciona com a interpretação dos sinais emitidos pelo cérebro para a condução dos carros por meio da captação da atividade cerebral. A partir daí, sistemas autômatos analisarão as atividades para anteciparem, até mesmo, quais ações os motoristas pretendem tomar. O sistema também poderá prever algumas ações, como virar na próxima rua ou algum desconforto que o motorista esteja sentindo na condução.
Reinventando a roda
Um pneu que nunca fura. Essa é a proposta da Nasa, que criou um pneu totalmente à prova de furos. O projeto, que recebeu o nome de Shape Memory Alloy, foi desenvolvido para ser colocado em rovers com destino à exploração de Marte. Montado com correntes entrelaçadas de níquel-titânio e com interior totalmente vazio, o pneu tem capacidade para passar por cima de obstáculos como rochas, sem ser destruído e se moldando à superfície. A nova roda já foi testada em um carro de passeio, e o resultado foi positivo, porém, não se sabe quando a novidade poderá chegar aos veículos aqui na Terra.
Carro “Transformers”
Da tela para a vida real. A empresa japonesa Four Link Systems lançou o protótipo do carro elétrico e dobrável Earth-1, que foi inspirado nos robôs do filme “Transformers”. A grande vantagem do veículo é que ele pode reduzir o espaço necessário para uma vaga e facilitar o estacionamento. Com capacidade para duas pessoas, para comprar o “brinquedo”, é necessário desembolsar 70 mil dólares (cerca 228 mil reais). A novidade deve estar apta para rodar nas ruas japonesas a partir de abril de 2018 e já possui 30 encomendas.
GM mostra carro sem volante e pedais 
A General Motors apresentou o que a montadora considera ser o primeiro veículo sem volante e pedais. O Cruise AV é completamente autônomo e está aguardando autorização do governo americano para circular a partir de 2019. O veículo já vem realizando testes em São Francisco, na Califórnia, mas em uma versão com volante e pedais, utilizados em casos de emergência. A próxima etapa dos testes não contará com o comando manual. Para circular, o veículo utiliza 16 câmeras que detectam pedestres, ciclistas, sinais de trânsito e espaços livres. O Cruise também possui 21 radares articulados que identificam outros veículos em movimento e uma série de sensores de alta precisão, para detectar objetos em volta do carro.
Tênis como passagem de metrô 
Uma promoção da BVG, empresa de transporte público de Berlim, levou dezenas de pessoas a acamparem em frente a duas lojas de departamento para comprar um dos 500 pares de tênis que vale como passagem no transporte da cidade. Ao custo de 180 euros, o tênis é uma parceria com a Adidas e pode ser usado em ônibus, metrôs e bondes da cidade. Mas, para poder usar o serviço, é preciso estar usando o tênis em ambos os pés a fim de evitar a venda de um dos pés e impedir que duas pessoas andem com o mesmo bilhete.
As informações são da Agência CNT de Notícias

 

Sem comentários

Educação para o Trânsito: De quem é a responsabilidade?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O CTB diz, em seu Artigo 76 diz que a Educação para o Trânsito deve acontecer desde a Educação Infantil até o Ensino Superior, “por meio de planejamento e ações coordenadas entre os órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito e de Educação, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nas respectivas áreas de atuação. ”

Certo…de que forma? Continua o CTB, no mesmo Artigo, em seu Parágrafo Único que o MEC, CONTRAN e o Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras deverão adotar, em todos os níveis de ensino currículo interdisciplinar com conteúdo sobre segurança no trânsito, educação para o trânsito em cursos de formação para o magistério, criação de corpos técnicos para levantamento e análise de dados estatísticos relativos ao trânsito, e, por último, não menos importante: elaboração de planos de redução de acidentes de trânsito, visando integrar universidades e sociedade na área de trânsito…

O CTB vai fazer 20 anos e a Educação para o Trânsito continua praticamente a ser o que era antes da Lei entrar em vigor. Isso é, para dizer o mínimo, muito frustrante para todos os educadores, em especial os que se dedicam à Educação para o Trânsito. Literalmente, vivemos dando “murros em ponta de faca”.

Nossa voz não alcança, não sensibiliza grande parte dos gestores (não estou generalizando, há os que se preocupam e muito!) que acreditam ter muitas outras coisas “mais importantes” para as escolas do que implementar projetos de Educação para o Trânsito!

Já passamos do tempo de pensar no que deve ser feito e passar para a ação. A Década de Ações pela Segurança no Trânsito da ONU está chegando ao fim e ainda não houve redução significativa no índice de acidentes de trânsito. Se houve queda, e tenho cá minhas dúvidas de que isso aconteceu, foi mínima. Até porque, qualquer morte, qualquer mutilação no trânsito é muito ruim. Nunca deveria acontecer. Não podemos comemorar, não vejo motivos para isso ainda.

Porém, não sou pessimista. Acredito, e muito, que é possível mudar esse quadro de horror que temos hoje. Basta um pouco de boa vontade e seriedade.

* Eliane Pietsak é pedagoga, especialista em trânsito, e atualmente é colaboradora da Tecnodata Educacional.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/para-o-seu-cfc/educacao-para-o-transito-de-quem-e-responsabilidade/

Sem comentários

Neste fim de ano escolha viver

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Grandes feriados no Brasil costumam serem prenúncios de tragédias. Centenas de vidas perdidas, outros milhares com sequelas e modificadas para sempre, sem falar na dor dos que ficam, é o quadro que infelizmente se espera de feridos prolongados. Nos dois feriados de fim de ano de 2016, apenas nas rodovias federais, foram 225 mortos (fonte: agência Brasil).[/caption]

Dados mais recentes do DETRAN-RS apontam que de janeiro até novembro de 2017, apenas no Rio Grande do sul foram 1.571 vidas perdidas. A maioria (37,7%) conduzindo automóveis, seguido de motociclistas (26,9%) e pedestres (19,0%). Dessas mortes, a maioria ocorreu aos sábados (19,86%) e domingos (19,41%), sobretudo no período noturno (34,9%) e diurno da tarde (25,0%).

O mais estarrecedor é que nada menos que 846 vidas se perderam (60,2% do total) nas rodovias estaduais e federais no RS. Não vou aqui entrar no debate quanto a necessidade de duplicação das rodovias, sua melhor conservação e os motivos de termos rodovias muito piores que em outros estados.

O que quero destacar aqui neste final de ano é que é possível reduzir essa triste realidade, sem precisar esperar novas leis ou melhores vias, apenas, ou ainda esperar que o Estado brasileiro tome atitudes técnicas e não políticas para lidar com a gestão de trânsito nacional.

Diariamente vimos o clamor por multas mais pesadas, penas mais severas, como se isso fosse o suficiente ou o caminho para a mudança do comportamento. Ocorre que, como seres humanos, somos muito complexos do que apenas apresentar uma resposta adequada e segura no trânsito por medo de multa. Ainda (e aposto que talvez até você que está lendo este texto) acredita-se que o comportamento só muda “quando pesa no bolso”. Mas e para quem as multas não parecem surtir efeito, pois possuem poder aquisitivo superior? Aí vem o estado e começa a suspender e cassar habilitações, apenas provisoriamente, pois não há previsão de perda definitiva da habilitação e proibição vitalícia de se reabilitar, ou seja, independente do que se fez no trânsito, há sempre a possibilidade de voltar a possuir habilitação.

O caminho, e não é nenhuma novidade, é a nossa capacidade de autorreflexão e autoconsciência dos nossos atos. Erros no trânsito todos nós cometemos, o que não podemos deixar acontecer é a diminuição dos possíveis efeitos erros e sua banalização.

Sempre conto aos meus alunos quando esqueci a documentação do veículo numa viagem e, ao descobrir que havia esquecido noutra cidade, não me senti autorizado a voltar dirigindo sabendo que não estava portando a documentação (apesar disso não alterar minha forma de condução, tratava-se de uma irregularidade que não me autorizava realizar). Como não diminui a importância dessa falha, pude refletir e me policiar para, numa próxima oportunidade, não esquecer. E jamais esqueci desde então.

A mesma lógica se aplica a outras condutas: dirigir sem colocar o cinto, não dar a seta na mudança de direção, não colocar a criança na cadeirinha certa, exceder o limite de velocidade, andar com capacete mal afixado, etc. São apenas algumas das condutas que todos, uma hora ou outra, podemos cometer. Mas e porque algumas pessoas seguem cometendo-as, apesar disso?

Essa é a grande questão que a Psicologia e a Sociologia do trânsito buscam responder. A primeira, por exemplo, baseado no conhecimento da Psicanálise, aponta para o nosso narcisismo, ou seja, nos sentimos realmente especiais a ponto de que a lei só se aplica e é válida aos outros, nunca para mim (repare nas publicações na internet sobre acidentes ou infrações como as pessoas ‘de fora’ do fato julgam e clamam por punições maiores, as vezes até desproporcionais ao erro do outro). Já a Sociologia nos indica que uma sociedade é tão insegura no trânsito proporcionalmente o quanto é desonesta nas suas relações ou busca enaltecer a individualidade em detrimento do senso de pertença a uma coletividade.

A cada nova experiência, eu fico cada vez mais inclinado à compreensão de que, apesar do narcisismo exacerbado e de uma sociedade individualista, ainda são as escolhas feitas nas pequenas coisas do dia a dia que tornam o trânsito mais seguro.

Costumamos imaginar que o risco está apenas para quem excede muito a velocidade, mas é raro ver um veículo andando abaixo do limite máximo nas rodovias. Mas tudo bem, pois um pouquinho a mais da velocidade não faz mal, certo? Mas da mesma forma demonstra uma falta de capacidade de gestão do nosso comportamento, agindo com base em referências falsas ou equivocadas que nos impedem de observar que, como diz Roberto DaMatta, esperto é quem cumpre a lei, evita acidentes e punições, e não aquele que se não se envolveu em acidente (ainda) passa levando multa e tendo impedimentos na habilitação.

Afinal de contas, qual a dificuldade se cumprir o que se aprendeu na autoescola?

Fonte: http://portaldotransito.com.br/opiniao/psicologia-do-transito/neste-fim-de-ano-escolha-viver/

Sem comentários

Com foco em velocidade, embriaguez e ultrapassagens, PRF inicia fiscalização durante o feriado

Entre as recomendações da PRF para uma viagem segura estão respeitar a sinalização, manter uma distância razoável dos demais veículos e evitar ultrapassagens indevidas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) lançou a Operação Finados 2017 na quarta-feira (1º) em todo o país.

Durante os cinco dias de operação, que segue até a noite de domingo (5), os agentes da PRF irão priorizar o controle de velocidade com radares portáteis, o combate à embriaguez ao volante e a fiscalização de ultrapassagens proibidas.

O uso do cinto de segurança e dos dispositivos de retenção para crianças, além de fiscalizações específicas de motocicletas, são outras prioridades da PRF durante o feriado prolongado.

Como no ano passado o Dia de Finados caiu em uma quarta-feira, não houve operação da PRF.

Durante o feriado prolongado deste ano, a previsão das concessionárias de pedágio é de que o fluxo de veículos aumente entre 15% e 45% em relação à média dos dias normais.

O pico de movimento na saída para o feriado deve se concentrar entre o fim da tarde e início da noite de quarta-feira e na manhã de quinta-feira. O retorno deve ter um fluxo maior de veículos durante a tarde e a noite de domingo.

Orientações para uma viagem segura

Respeitar os limites de velocidade, manter distância de segurança em relação aos demais veículos, ultrapassar apenas quando houver plenas condições de segurança e não desviar a atenção do trânsito. Estas são algumas das principais orientações da PRF para reduzir o risco de acidentes.

A PRF também orienta os usuários de rodovias, mesmo antes de viagens curtas, a fazer uma revisão preventiva do veículo, o que inclui a checagem dos pneus, do sistema de iluminação, dos equipamentos obrigatórios, do nível do óleo e do radiador, entre outros itens.

Também é fundamental planejar a viagem, buscando evitar, na medida do possível, os horários de pico. Dirigir cansado ou com sono aumenta o risco de o motorista cometer erros. A cada três ou quatro horas de viagem, é recomendável uma pausa para descanso ou revezar a direção do veículo.

Eventuais paradas no acostamento devem ser feitas apenas em caso de emergência, com pisca-alerta ligado e triângulo a uma distância razoável do veículo.

O uso do cinto de segurança e da cadeirinha para crianças é imprescindível –esses equipamentos podem fazer a diferença em caso de acidente.

As informações são da PRF

Sem comentários

Detran aponta os erros mais comuns no transporte de crianças

O número de crianças, entre 0 e 17 anos, vítimas fatais de acidentes de trânsito no Paraná cresceu 14% entre 2015 e 2016. Foto: Divulgação Detran/PR

O número de crianças, entre 0 e 11 anos, vítimas fatais de acidentes de trânsito no Paraná cresceu 18% entre 2015 e 2016. Foram 32 mortes só no ano passado. Os dados são do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) e apontam que a falta dos dispositivos de segurança ou a utilização inadequada para cada idade e tamanho podem prejudicar a segurança das crianças.

“O uso das cadeirinhas torna mais seguro o transporte das crianças, mas de nada adianta se o uso for feito de forma inadequada. Por isso, é importante que os pais tomem todos os cuidados e não tenham pressa na hora de encaixar as crianças aos dispositivos. São detalhes simples que fazem toda a diferença”, explica o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

Uso inadequado da cadeirinha

Segundo a Coordenadoria de Programas Educativos do Detran, entre os erros mais comuns está o uso de almofadas de encosto para a cabeça, sem a devida proteção do pescoço e crânio.

“A parte mais vulnerável na criança é a cabeça, que é relativamente maior em proporção aos demais membros do corpo. Movimentos bruscos e intensos da cabeça e do pescoço, para frente e para trás, podem provocar graves lesões nessa região com maior frequência do que no adulto. Por isso, para cada idade e tamanho o uso do dispositivo de segurança já é suficiente”, diz a coordenadora de Programas Educativos, Caroline Andreatta.

O bebê-conforto, por exemplo, é direcionado aos bebês com ou até um ano de idade. Já aquelas com idade superior a um ano e inferior ou igual a quatro anos devem ser transportadas em cadeirinha. De quatro a sete anos e meio devem usar o assento de elevação e, a partir de dez anos (com mais de 1,45 m), já podem utilizar o cinto de segurança e ser transportadas no banco da frente.

Instalação incorreta

Antes de comprar a cadeirinha é preciso se certificar de que o equipamento possui selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Procure ler o manual de instrução da cadeira de segurança e do veículo cuidadosamente para uma instalação correta.

Prenda firmemente a cadeirinha ou suporte de segurança no cinto e tenha certeza de que ele esteja passando no local adequado/correto da cadeirinha. Além disso, a cadeirinha não deve mover-se mais que 2 cm de um lado para o outro.

Ajuste as tiras da cadeirinha de segurança ao tamanho da criança, com folga de um dedo entre o corpo dela e a tira. Cadeiras de segurança quando instaladas e usadas corretamente diminuem os riscos de morte até 71%. E em casos de crianças com até quatro anos, a necessidade de hospitalização reduz em 69%.

Os bebês ainda devem ser transportadas no banco detrás do carro de costas para o motorista. Colocar uma criança menor de 1 ano de idade ou com menos em uma cadeira de segurança voltada para o vidro da frente é extremamente perigoso e proibido por lei.

Infração

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) transportar crianças em veículo automotor sem observância das normas de segurança é infração gravíssima, gera 7 pontos na carteira de habilitação e uma multa de R$ 293,47. Além disso, o veículo pode ser retido até que a irregularidade seja corrigida.

As informações são da Agência Estadual de Notícias

 

Sem comentários