Arquivos para Fevereiro de 2018

Educação para o Trânsito e Cidadania

Já faz um tempo que se tenta, implantar aqui no Brasil, a Educação para o Trânsito. Este é um assunto bem abrangente, que inclui assuntos como: direção defensiva, educação das crianças para o trânsito, noções de primeiros socorros, respeito ao pedestre, respeito à sinalização, entre tantos outros.

Um dos problemas enfrentados em relação a isso é o fato de que a maioria da população só se preocupa com as informações referentes ao trânsito na época de “tirar a carteira de motorista”. No entanto, esse não deve ser o único momento para isso, pois, salvo raras exceções, é aquele corre-corre, aulas teóricas, legislação de trânsito, aulas práticas, tudo muito rápido porque se precisa da carteira. Aprende-se tudo de uma vez, tudo decorado, coisa que muito rapidamente se esquece.

Há algumas atitudes simples que podem colaborar com esse movimento de Educação para o Trânsito e diminuir os acidentes decorrentes de imprudências, coisas como:

  • Utilizar apenas transporte público regulamentado, etc.
  • Atravessar na faixa de pedestre;
  • Ciclistas e Condutores de Moto, sempre usar o capacete;
  • Evitar jogar lixo pela janela do veículo (pode atrapalhar a visão do condutor que vem em seguida);
  • Não deixar crianças, menores de 10 anos, andarem no banco da frente dos carros;
  • Não dirigir após ingerir bebida alcoólica;
  • Prestar atenção às crianças para que só embarquem ou desembarquem dos coletivos quando estes estiverem totalmente parados;
  • Respeitar a sinalização de trânsito (tanto o pedestre como os condutores);
  • Usar a trava de segurança nas portas traseiras se for conduzir crianças;
  • Usar cadeirinha de segurança para crianças com menos de 1,40m de altura;
  • Todos os ocupantes do veículo devem obrigatoriamente usar o cinto de segurança no banco da frente e no banco de traz.

É necessário fortalecer a educação dos jovens sobre o tema, para gerar mudanças culturais capazes de reduzir o número de acidentes, que matam cerca de 43 mil pessoas por ano no país. É preciso recriar o padrão cultural vigente de desrespeito às regras de trânsito, por meio da fiscalização, mas também conscientizando os jovens sobre o que está por detrás delas, como, por exemplo, os riscos de lesões cerebrais e medulares envolvidos nos acidentes deixando mais de 600mil pessoas com sequelas irreversíveis todos os anos no País.

“O trabalho de educação, especialmente com os jovens, tem que ser reforçado para recriar um novo fundamento de obediência à regra.

Há grande dificuldades para falar aos jovens, principalmente na sociedade individualista na qual eles estão sendo formados. Hoje, o individualismo é tão exagerado que nem adianta falar para eles dos milhões de reais gastos pelo país com os acidentes. As categorias coletivas acabaram: cidadania, pátria, isso não faz o menor sentido para eles. Temos que reinventar essa conversa com a garotada,  lembrando que é preciso desenvolver novas linguagens e formatos para que as iniciativas possam realmente causar efeito.

 

Eliandro Maurat

Palestrante e Empreendedor de Impacto Social

Especialista em Planejamento e Gestão de Trânsito

Sem comentários

Já pensou em dirigir um veículo com o poder da mente? Ou comprar um carro dobrável? Veja o que a indústria automotiva está planejando

 

Dirigindo com o poder da mente
A montadora japonesa Nissan vem desenvolvendo uma tecnologia chamada de “Brain-to-Vehicle” (cérebro para veículo) que irá permitir que os automóveis sejam controlados pelo poder da mente dos seus motoristas. A tecnologia funciona com a interpretação dos sinais emitidos pelo cérebro para a condução dos carros por meio da captação da atividade cerebral. A partir daí, sistemas autômatos analisarão as atividades para anteciparem, até mesmo, quais ações os motoristas pretendem tomar. O sistema também poderá prever algumas ações, como virar na próxima rua ou algum desconforto que o motorista esteja sentindo na condução.
Reinventando a roda
Um pneu que nunca fura. Essa é a proposta da Nasa, que criou um pneu totalmente à prova de furos. O projeto, que recebeu o nome de Shape Memory Alloy, foi desenvolvido para ser colocado em rovers com destino à exploração de Marte. Montado com correntes entrelaçadas de níquel-titânio e com interior totalmente vazio, o pneu tem capacidade para passar por cima de obstáculos como rochas, sem ser destruído e se moldando à superfície. A nova roda já foi testada em um carro de passeio, e o resultado foi positivo, porém, não se sabe quando a novidade poderá chegar aos veículos aqui na Terra.
Carro “Transformers”
Da tela para a vida real. A empresa japonesa Four Link Systems lançou o protótipo do carro elétrico e dobrável Earth-1, que foi inspirado nos robôs do filme “Transformers”. A grande vantagem do veículo é que ele pode reduzir o espaço necessário para uma vaga e facilitar o estacionamento. Com capacidade para duas pessoas, para comprar o “brinquedo”, é necessário desembolsar 70 mil dólares (cerca 228 mil reais). A novidade deve estar apta para rodar nas ruas japonesas a partir de abril de 2018 e já possui 30 encomendas.
GM mostra carro sem volante e pedais 
A General Motors apresentou o que a montadora considera ser o primeiro veículo sem volante e pedais. O Cruise AV é completamente autônomo e está aguardando autorização do governo americano para circular a partir de 2019. O veículo já vem realizando testes em São Francisco, na Califórnia, mas em uma versão com volante e pedais, utilizados em casos de emergência. A próxima etapa dos testes não contará com o comando manual. Para circular, o veículo utiliza 16 câmeras que detectam pedestres, ciclistas, sinais de trânsito e espaços livres. O Cruise também possui 21 radares articulados que identificam outros veículos em movimento e uma série de sensores de alta precisão, para detectar objetos em volta do carro.
Tênis como passagem de metrô 
Uma promoção da BVG, empresa de transporte público de Berlim, levou dezenas de pessoas a acamparem em frente a duas lojas de departamento para comprar um dos 500 pares de tênis que vale como passagem no transporte da cidade. Ao custo de 180 euros, o tênis é uma parceria com a Adidas e pode ser usado em ônibus, metrôs e bondes da cidade. Mas, para poder usar o serviço, é preciso estar usando o tênis em ambos os pés a fim de evitar a venda de um dos pés e impedir que duas pessoas andem com o mesmo bilhete.
As informações são da Agência CNT de Notícias

 

Sem comentários