Arquivos para outubro de 2016

ONSV alerta para as 10 principais causas de acidentes nas vias e rodovias

10-principais-causas-de-acidentes

Ocorrências derivam de três fatores: humano, veicular e vias; compromisso com a condução segura é fundamental para evitá-las

A segurança no trânsito é fundamental. Ninguém, quando sai de casa para cumprir um compromisso, utilizando qualquer modal de transporte, ou mesmo se estiver a pé, pensa ser vítima de um acidente de trânsito. Mas eles acontecem em número expressivo nas vias e rodovias do país. Não adotar comportamentos que ponham em risco a sua vida, a de outros motoristas, de passageiros e de pedestres deve ser meta de cada um.

Tanto quanto isso, porém, alguns outros fatores interferem na condução segura.  A manutenção do veículo e as condições das vias influenciam sobremaneira a ocorrência de acidentes.  Desse modo, é possível concluir que eles derivam de três fatores:  humano, veicular e  vias.

Firme em seu propósito de contribuir para a redução de ocorrências de trânsito que em 2014, segundo dados do DataSUS, tiraram a vida de aproximadamente 44 mil pessoas, o OBSERVATÓRIO alerta para as 10 principais causas de acidentes no trânsito brasileiro.

Fator humano:

  • Excesso de velocidade.
  • Beber e dirigir.
  • Combinação celular/direção.
  • Não usar setas que indicam as intenções de manobras.
  • Não guardar distância do veículo que vai à frente.

Fator veicular:

  • Deixar de fazer a manutenção regular no veículo (com atenção especial aos pneus, freios, faróis, lâmpadas, luzes, limpadores de para-brisa, vela, filtros, correia dentada, radiador, sistema elétrico e combustível).

Vias:                                                              

  • O estado de conservação.
  • As condições da sinalização.
  • A falta de acostamento.
  • A falta de passarelas.

Fonte: http://www.onsv.org.br/noticias/onsv-alerta-para-as-10-principais-causas-de-acidentes-nas-vias-e-rodovias/

Sem comentários

Cinco dos seus amigos poderão sofrer um acidente de trânsito no próximo ano

19115523341066

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se assustou com o título? Essa foi uma das maneiras que encontramos de chamar a sua atenção. Já não basta divulgarmos tantos dados e esperarmos que eles gerem resultados: números, por vezes, são só números.

O cálculo é fácil: todos os anos, acontecem no Brasil mais de um milhão de acidentes de trânsito. Caso você tenha cerca de mil pessoas adicionadas nas suas redes sociais, isso quer dizer que, em média, cinco delas poderão sofrer um acidente de trânsito no próximo ano.

Pensando assim, fica mais fácil nos aproximarmos dessa realidade triste e que deixa mais de 45 mil mortos e 376 mil feridos todos os anos.

A internet e as redes sociais têm feito um pouco desse papel: ao ter conhecimento do nome e do rosto das vítimas, você consegue ter mais consciência de sua morte do que ao ler um mero número em uma manchete de jornal. Porém, ainda precisamos de mais. Por isso, vamos simplificar alguns dados para você:

1. Poderíamos encher mais de cinco estádios do Maracanã todos os anos com as vítimas

O Brasil está em 4º lugar no ranking de mortes no trânsito no mundo, fazendo com que os acidentes matem mais do que o câncer e superem os homicídios.

2. Mais de 95% dos desastres são causados por irresponsabilidade dos motoristas

Entre as principais causas estão: excesso de velocidade, desrespeito à sinalização e a ingestão de bebidas alcoólicas.

3. É como se tivéssemos duas tragédias como a da Boate Kiss por semana

Acidentes de trânsito já são a maior causa de morte entre os jovens e, segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária, pessoas entre 18 e 34 anos correspondem a mais de 40% das vítimas fatais no trânsito.

4. O Brasil está entre os países que mais aplicam leis de controle de risco

Apesar do grande número de fatalidades, o Brasil aparece no topo do ranking dos países que mais aplicam leis de controle de risco, principalmente relacionadas ao limite de velocidade, cinto de segurança, capacete, segurança para as crianças e proibição de ingestão de bebida alcoólica antes de dirigir.

5. O país gasta mais de cinco bilhões de dólares por ano com acidentes de trânsito

Os acidentes de trânsito no mundo custam US$ 518 bilhões por ano, alcançando de 1% a 3% do Produto Interno Bruto de cada país, segundo a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Com o dinheiro gasto no país, seria possível construir mais de três mil escolas ou mais de 700 hospitais de grande porte.

6. Enquanto você lia essa matéria, ao menos dois acidentes aconteceram

A cada 57 segundos, acontece um acidente de trânsito. Por hora, são cinco mortes nas vias.

Faça a sua parte e seja você um agente de mudança no trânsito.

Fonte: http://www.megacurioso.com.br/cotidiano/100400-cinco-dos-seus-amigos-poderao-sofrer-um-acidente-de-transito-no-proximo-ano.htm

 

Sem comentários

ONG defende elevar idade mínima para transporte em motocicletas

Por Mariana Czerwonka.

Devido a fragilidade, as crianças são menos tolerantes a impactos e, para eles, a chance de um acidente de moto ser fatal é mais alta.

crianca-na-moto_web-300x231

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Durante a Semana Nacional de Trânsito, a ONG Criança Segura divulgou dados preocupantes em relação ao transporte de crianças em motocicletas. Em 2014, 1.654 crianças, entre zero e 14 anos, morreram em consequência de acidente de trânsito no Brasil. Desse total, 11% estavam em motocicletas.

A legislação brasileira permite que, a partir dos sete anos, a criança possa ser passageira de motocicleta. Porém, esse meio de transporte é muito perigoso para meninos e meninas, pois eles ainda estão em fase de desenvolvimento e seus ossos e órgãos são mais frágeis que os de um adulto. Devido a essa fragilidade, são menos tolerantes a impactos e, para eles, a chance de um acidente de moto ser fatal é mais alta.

Outro problema é o uso do capacete pelos pequenos. “A cabeça de uma criança de 7 anos é menor que a de um adulto, logo o capacete deveria ser especial para essa criança e adequado ao tamanho de sua cabeça para de fato protegê-la em caso de queda. Um capacete de tamanho errado não garante proteção e é muito difícil encontrar no mercado capacetes para crianças com tamanhos menores”, diz Gabriela Guida de Freitas, coordenadora nacional da ONG Criança Segura.

Legislação

De acordo com a ONG, o alto número de óbitos infantis em decorrência de acidentes com motos se deve à falta de leis mais rígidas sobre o transporte de crianças nesses veículos.

“Apesar de a legislação permitir que a partir dos sete anos de idade a criança seja passageira de motos, a Criança Segura acredita que nessa situação elas estão muito expostas a riscos. Por isso, defendemos a aprovação de um projeto de lei que tramita no Congresso e pretende aumentar para 11 anos a idade mínima para o transporte de crianças em motocicletas”, explica Gabriela.

Com informações da ONG Criança Segura

Sem comentários

ABRAMET propõe imunização para o mal que assola o país

Ainda muito distante do ideal, consagrando uma epidemia, o trânsito e transporte preocupa todos nós.

Por Dirceu Rodrigues Alves.

sala-de-aula_criancas-300x225

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Precisamos acelerar essa trajetória para alcançarmos o objetivo proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) de reduzir em 50% o número de mortes no nosso trânsito até 2020. Para tal, precisamos mudança radical da cultura para mobilidade, não só do motorista, mas também do nosso pedestre, dos governantes e toda cúpula dirigente do nosso país. Faz-se necessário a execução do Código de Trânsito Brasileiro que data de 1997, quando determina a “Educação de Trânsito” nas escolas. Até hoje, vários itens desse código não foram colocados em prática.

Educação continuada, formação de condutores, campanhas permanentes, policiamento ostensivo, participação ativa da sociedade, a fiscalização e a punição parecem abandonadas.

Educação de Trânsito nas escolas é uma das vacinas.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/opiniao/transito-e-a-sociedade/abramet-propoe-imunizacao-para-o-mal-que-assola-o-pais/

Sem comentários