Arquivos para agosto de 2016

Proposta obriga autoescola a oferecer veículos adaptados para pessoas com deficiência

carro-automatico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) vai analisar o PLS 294/2016, que obriga as autoescolas a oferecer carros adaptados para deficientes físicos.

A proposição, do senador Romário (PSB-RJ), determina que os Centros de Formação de Condutores providenciem, para cada 20 veículos de sua frota, um modelo adaptado que tenha ao menos câmbio automático, direção hidráulica ou elétrica, vidros elétricos e comandos manuais de freio e de embreagem.

Segundo o parlamentar, é justo que pessoas com limitações físicas tenham a possibilidade de adquirir a prática e fazer as aulas necessárias para obter uma carteira de habilitação (CNH). “Como poderá a pessoa com deficiência adquirir a tal proficiência, se não existem veículos adaptados oferecidos pelos centros de formação de condutores?”, indaga.

Para alcançar seu objetivo, o projeto  altera o artigo 154 do Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/1997), que trata dos veículos destinados à formação de condutores. A proposta ainda aguarda a designação de relator pelo presidente da CDH, Paulo Paim (PT-RS).

Com informações da Agência Senado

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/instrutor-e-cfc/proposta-obriga-autoescola-oferecer-veiculos-adaptados-para-pessoas-com-deficiencia/

Sem comentários

Especialistas defendem aplicação da disciplina de educação no trânsito na grade curricular das escolas e universidades

Imagem-Ilustrativa-300x207

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil apresenta taxa de 23,4 mortes no trânsito para cada 100 mil habitantes. O país tem o quarto pior desempenho do continente americano, o que pode levar o país a registrar até 2030, 1 milhão de mortes nas estradas. Mas esta estimativa pode ser freada caso haja um plano nacional de inserção da disciplina de educação no trânsito nas escolas e nas universidades, como defendeu o tenente Coronel Israel Moura, professor de direito de transito e um dos maiores especialistas do assunto no país.

O especialista em direito de trânsito é a favor de punição severa para quem cometer morte no trânsito. Segundo Israel Moura, quem dirige alcoolizado ou sob enfeito de substâncias químicas, assume o risco, conscientemente, de provocar alguma tragédia.

Umas das principais vítimas da imprudência no trânsito da capital amazonense são os ciclistas, é o que aponta Paulo Aguiar, coordenador do Grupo Pedala Manaus.

O problema foi um dos diversos assuntos abordados durante o primeiro seminário de direito de trânsito e segurança pública aplicada ao trânsito, realizado no fim de semana em uma faculdade particular da capital. Além de direito de trânsito, também foram discutidos temas polêmicos, como vídeo monitoramento e o papel da perícia nos acidentes.

O procurador chefe do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Transito (Manaustrans), Maurício Miranda, acredita que com novas mudanças na legislação de trânsito, os índices de acidentes possam diminuir.

Fonte: http://www.redetiradentes.com.br/especialistas-defendem-aplicacao-da-disciplina-de-educacao-transito-na-grade-curricular-das-escolas-e-universidades/

Sem comentários

Online para o virtual, offline para a vida real

pokemon-go_apple-300x300

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O aplicativo Pokemón Go é a febre do momento. Um jogo de realidade aumentada que utiliza o celular, a internet e o GPS. O jogador informa ao aplicativo a sua localização e sai para áreas externas à caça de monstrinhos virtuais. Só que eles aparecem no mapa do GPS em áreas reais: canteiros, quintais, do outro lado da rua, em avenidas, dentro de casa, enfim… Nesse jogo de interação entre o real e o virtual o jogador tem que caminhar em busca dos pokemóns. Desde que o aplicativo foi liberado no Brasil são frequentes as notícias de atropelamentos, colisões, quedas da própria altura e de prédios nos andares mais altos. Até afogamentos se sabe que foram a causa da morte de caçadores de pokemóns. E as consequências dos comportamentos de quem brinca com a realidade aumentada como se reflete no trânsito?

Alheia às especulações, juízos de valor e (des)qualificações do Pokemón Go que o tratam como coisa do capeta, jogo do diabo, jogo que forma uma geração de zumbis e afins, procuro ver da ótica da minha formação e profissão: a segurança no trânsito.

As defesas mais inflamadas deste jogo de realidade aumentada o nivelam com outros aplicativos como o próprio whatsapp, facebook, linkedin e tantos outros. Só que o whatsapp, o facebook, o linkedin e outros jogos podem ser acessados de celular ou computador de mesa em ambientes seguros, ainda que não o sejam e possamos ver isso inclusive no trânsito.

Sim, estão certos quando mencionam as pessoas que já provocaram colisões digitando mensagens de voz, teclando, escrevendo mensagens de texto, assim como estão certos quando mencionam os pedestres atropelados na faixa ou fora dela porque estavam usando fones de ouvido e não ouviram os sons naturais do trânsito. Muitos ciclistas também já foram mortos dessa forma, assim como os motoristas que dirigiam com fone de ouvido ou som alto. Só que numa coisa o jogo de realidade aumentada se diferencia: se não sair para o mundo real, para o espaço público atrás dos monstrinhos Pokemón não vai conseguir jogar.

É exigência ter que caminhar até o lado externo da casa e para além dos limites do quintal ou do prédio para jogar. E o pior: caminhar distraído, olhando para a tela do celular para não perder a criatura virtual de vista enquanto que na vida real o risco de acidente se potencializa. Risco de atropelamentos, de colisões quando se dirige para chegar ao Pokemón mais raro, que dá mais pontuação ou mais difícil de ser caçado.

É fato que a tecnologia é uma das grandes revoluções da humanidade, tanto quanto a Revolução Industrial e tantas outras, além de ser um caminho sem volta. Nem que quiséssemos eliminaríamos o celular e tantas outras conquistas tecnológicas que mudaram realmente o rumo da humanidade e das nossas vidas. Certamente, os benefícios e as  contribuições da tecnologia estão presentes e são muito maiores e mais positivas, sobretudo para o bem.

A questão está na falta de limites e no mau uso da tecnologia em função dos comportamentos humanos. No acidente de trânsito a culpa não é do carro: é do comportamento, das atitudes, das práticas dos motoristas. E mesmo quando o carro pifa, a falha é de quem deveria ter feito a manutenção preventiva e não fez. Negligência.

Comparações simplistas tais como “se tem acidentes acabem com os carros” são de uma ingenuidade tamanha ou de uma pequenez extrema ao ponto de não reconhecer a função dos motorizados em nossas vidas para o transporte e o deslocamento de pessoas. Não se pode jogar o bebê fora junto com a água do banho.

Como se já não bastassem as tantas formas de distração no trânsito, temos de lidar com mais esta: a distração dos caçadores de pokemóns que atravessam a rua sem olhar e sem constatar quando o sinal mudou de cor. A velha mania de olhar e sair correndo e que ignora o estado de inércia quando o veículo já vem a 50, 60, 70 ou mais quilômetros por hora.

Assim como nas postagens, memes e tantos apelos em redes sociais em que os casais estão na mesma cama, cada um virado para o seu lado ou de frente olhando para o celular e não se veem, não se enxergam, estamos nos distanciando cada dia mais uns dos outros. Famílias que já não fazem mais as refeições juntas, os grupos de trabalho que se encontram apenas virtualmente, cada um de suas casas e de seus equipamentos eletrônicos, o diálogo que some e agora é virtual, as relações afetivas que vão se enfraquecendo.

Se antes já éramos uma geração que reclamava do individualismo e do egoísmo, estamos ficando individualistas hi-tech. Mas, até aqui, isso ainda é tratado como divagação.

Voltando para as consequências do jogo de realidade aumentada e o trânsito, a realidade do trânsito que mata e sequela milhões em todo o mundo, que já é uma realidade bem grande, doída, sofrida, violenta, cheia de dor e sofrimento, pode ser realmente aumentada pela distração de caçadores de pokemóns.

O uso racional do carro diminui e impacta menos o meio ambiente, a mobilidade e a vida das pessoas. O uso racional e inteligente da tecnologia só traz benefícios. Como em tudo na vida a diferença entre o remédio e o veneno está na dose. A culpa não é do carro, é de quem o dirige. A culpa é do jogo? Ou de quem joga distraído, online para o virtual e offline para a vida real?

Fonte: http://portaldotransito.com.br/opiniao/educacao-de-transito/online-para-o-virtual-offline-para-vida-real/

Sem comentários

Mortes de crianças e adolescentes no trânsito só perdem para homicídios

Child sleeping in a car.

Com uma média de 8,1 mortes por acidentes de trânsito a cada 100 mil crianças e adolescentes, o Brasil ocupa o nono lugar entre 88 países no quesito, com base em dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No país, o Mato Grosso aparece em primeiro lugar na lista de mortes de crianças e adolescentes no trânsito em 2013. A média foi 17,2 mortes por 100 mil.

Roraima fica em segundo lugar, com 14,9 em 100 mil crianças e adolescentes. Os números foram analisados no relatório Violência Letal Contra Crianças e Adolescentes do Brasil.

De acordo com o autor do estudo feito pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, Julio Jacobo, nos últimos anos houve avanços no combate à mortalidade por causas naturais.

Mas as causas externas aumentaram quase 30% e os acidentes de trânsito estão em segundo lugar, atrás apenas dos homicídios.

Há, porém, uma grande variação regional no país. Se no Mato Grosso a média é de 17,2 vítimas por 100 mil, no Amazonas a média é de 3,7.

O Acre ganhou destaque por ter mais de 20% de redução da mortalidade no trânsito, entre 2003 e 2013.

Pedestres

Para o professor de psicologia do Centro Universitário de Brasília e consultor de comportamento no trânsito Fábio de Cristo além do uso correto dos equipamentos de segurança é necessário que a formação dos motoristas brasileiros se atente para as relações interpessoais no trânsito.

Um dado positivo do relatório foi a diminuição da morte de pedestres em quase 70%. Para Fábio de Cristo, um dado que se deve a boas campanhas de conscientização.

No entanto, o índice destoa quando a análise é sobre acidentes com motocicletas: um aumento de mais de 1000% pelas ruas e estradas do país.

Com informações da Agência Brasil

Sem comentários