Arquivos para outubro de 2014

Golf atinge cinco estrelas no quesito segurança para crianças

Criança segura

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Volkswagen Golf VII se uniu ao crescente clube de modelos cinco estrelas depois de ter alcançado o máximo número de estrelas possíveis, a respeito da segurança do passageiro adulto. Tornou-se, também, o primeiro modelo em conseguir o máximo número de estrelas possíveis, cinco, outorgadas pelo Latin NCAP na segurança do passageiro criança.

O Programa de Avaliação de Carros Novos da América Latina (Latin NCAP) concedeu a qualificação de cinco estrelas ao VW Golf VII em relação à proteção do adulto e da criança, depois de ser avaliado em dois formatos de testes de colisão: de impacto frontal a 64 km/h*, e de impacto lateral a 50 km/h**. O bom desempenho do carro quanto à proteção do passageiro criança é explicado pelo uso das ancoragens ISOFIX***, as ancoragens superiores para Sistemas de Retenção Infantil (SRI), a ótima dinâmica e ser compatível com a maioria dos SRI disponíveis no mercado.

Isso fez com que o Golf, pela primeira vez no Latin NCAP, atingisse as cinco estrelas na proteção do passageiro criança. Ambas as qualificações cinco estrelas para os passageiros adulto e criança, obtidas pelo Golf, representam, em conjunto, a melhor combinação de resultados – até agora – no Latin NCAP. É importante salientar que o VW Golf oferece os seguintes dispositivos de segurança em sua versão standard: airbags laterais para os passageiros frontais, airbags de cortina na altura da cabeça para bancos dianteiros e traseiros, controle eletrônico de estabilidade (ESC). Em breve, todos eles vão ser avaliados pelo Latin NCAP em todos os modelos do que serão provados.

Segundo María Fernanda Rodríguez, Presidente do Latin NCAP e da Fundación Gonzalo Rodríguez, a Fundação Gonzalo Rodríguez trabalha, há 14 anos, focada na segurança das crianças. Por esse motivo esse fato deve ser comemorado. “Pela primeira vez conseguimos um resultado cinco estrelas a respeito da segurança dos passageiros adultos e das crianças. Meus parabéns à VW por obter esse resultado; demonstrando, portanto, que sim é possível combinar segurança, conforto e uma atraente estética”, afirma Rodríguez.

Ainda segundo ela, a evidência indica que, temos o conhecimento, os elementos, a responsabilidade e a sensibilidade necessários para trabalhar com profissionalismo na indústria automobilística. “Aguardo, com grande ilusão e otimismo, que outros fabricantes e governos determinem, agora, sua meta para atingir resultados tão ótimos quanto os da VW; proporcionando, deste modo, proteção e benefício aos consumidores”, finaliza.

Toyota Corolla também faz parte do clube de cinco estrelas do Latin NCAP ao atingir essa qualificação em relação à segurança do passageiro adulto, e quatro estrelas quanto à segurança do passageiro criança. O Latin NCAP outorgou cinco estrelas ao Corolla após avaliar o carro em dois testes de batida: teste de impacto frontal a 64km/h e teste de batida lateral a 50km/h (UN95).

A boa atuação do carro a respeito da proteção do passageiro criança foi consequência do equipamento padrão ISOFIX do sistema de retenção infantil com ancoragens superiores e os correspondentes SRI, uma boa dinâmica e a capacidade de albergar quase todos os SRI disponibilizados no mercado. O Corolla esteve próximo de atingir a máxima qualificação de estrelas no tocante à segurança do passageiro criança.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/acontecendo-no-transito/golf-atinge-cinco-estrelas-no-quesito-seguranca-para-criancas

Sem comentários

EMTEC 2014 – Encontro Municipal de Tecnologia Educacional – Cabo Frio – RJ

Emtec 2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Emtec 2014 aconteceu no Teatro Municipal de Cabo Frio – RJ, esse evento é dedicado à reflexão e troca de conhecimentos sobre o uso educacional dos diversos recursos tecnológicos disponíveis nas escolas.
Profissionais da Educação, com ênfase nos professores multiplicadores tecnológicos, apresentam suas experiências bem sucedidas, voltadas para o planejamento, incorporação e avaliação das TIC no seu cotidiano docente.

Sem comentários

Redobre a atenção ao dirigir à noite!

Estrada-noite

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dirigir no período da noite requer atenção redobrada dos motoristas. Os perigos estão relacionados à iluminação, cansaço, condições das estradas e imprudência. Em razão do menor número de veículos circulando à noite, muitos condutores aproveitam para dirigir em alta velocidade. Algumas condições adversas, que seriam mais facilmente identificadas durante o dia, ficam escondidas nesse período, como buracos na estrada e até mesmo animais cruzando a pista. Por isso, dirigir em alta velocidade aumenta as chances de que o condutor não perceba ou veja muito em cima da hora esses perigos e acabe envolvido em um acidente.

Muitas rodovias têm grandes trechos sem iluminação pública, o que faz com que o condutor tenha que se guiar somente por seus faróis. É muito importante manter as luzes do carro sempre em boas condições para que todos possam ver e serem vistos.

É preciso também que o motorista use corretamente a regulagem dos faróis baixos, pois existem condutores que podem ficar cegos por um curto período de tempo quando encaram uma luz brilhante nos olhos, aumentando a chance de um acidente. O farol alto só deve ser usado quando realmente necessário, para não prejudicar os outros.

Outro ponto de extrema importância é o cansaço. No período da noite a probabilidade de que o motorista durma ao volante é muito mais alta. Por isso, as viagens à noite devem ser programadas para que o condutor tenha momentos de descanso. Se estiver dirigindo e se sentir cansado, pare e descanse! Você pode dormir sem nem ao menos perceber e colocar a sua vida e dos demais usuários das vias em risco.

A prevenção é a maior aliada da segurança! Seja prudente e preserve a vida!

Fonte: http: //www.viverseguronotransito.com.br/2014/10/redobre-a-atencao-ao-dirigir-a-noite/

Sem comentários

Manter a atenção no trânsito salva vidas

atencao-no-transito

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As distrações podem fazer o motorista perder mais do que alguns segundos

Nossos sentidos são capazes de nos afastar de grandes perigos. Por outro lado, quando estamos dispersos ou sobrecarregados de informações, nosso sistema sensorial age mais devagar, e no trânsito essas condutas podem causar acidentes – muitas vezes fatais.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, 46% das colisões em rodovias brasileiras ocorridas em 2012 foram causadas por motoristas desatentos. E o problema não é apenas no Brasil: no mesmo ano, a agência americana de segurança viária, National Highway Traffic Safety Agency (NHTSA), registrou 3.092 óbitos em acidentes causados por distração, o que corresponde a 10% dos desastres registrados nas rodovias federais dos Estados Unidos.

Para a neurologista mineira Marília Denise Mariani Pimenta, o homem é o maior peso da tríade formadora do trânsito (homem-via-veículo). “Dirigir envolve carga emocional e cognitiva, e o motorista precisa prioritariamente ter atenção, sem distrações”, informa. De acordo com ela, é preciso ter todas as condições para avaliar os vários estímulos que ocorrem simultaneamente e o tempo todo, vindos dos meios interno (luzes do painel, barulhos e/ou cheiros diferentes) e externo (vias, pedestres, animais, outros veículos, obstáculos, ambiente em geral).

Na opinião de Luiz Gustavo Campos, especialista em Gestão de Trânsito e Mobilidade Urbana da Perkons, estar atento pode realmente salvar vidas, principalmente tendo em vista que o tempo de frenagem, diante de uma situação em que ela é necessária, aumenta substancialmente com a desatenção. “O indivíduo atento ao tráfego e ao caminho que está fazendo tem melhores condições de reagir a tempo de evitar choques, além de diminuir as chances de errar o trajeto”, comenta.

José Aparecido da Silva, PhD em Percepção e Psicofísica pela Universidade da Califórnia e professor do Departamento de Psicologia e Educação da Universidade de São Paulo, destaca a visão e outros sentidos importantes para a direção: o tato, na hora de avaliar o toque, a textura e a largura, na relação com os itens do carro; o cinestésico ou propriocepção, que proporciona a sensação de movimento, fazendo com que o condutor tenha a exata noção de onde estão seus membros e qual o movimento estão fazendo sem ter de olhar para eles; o vestibular, sistema responsável pelo equilíbrio (impulsos enviados ao cérebro controlam o movimento dos olhos ou os músculos que mantêm o corpo firme e em estabilidade motora); e o olfativo, importante quando percebemos um cheiro de queimado, por exemplo.

Para Pimenta, a atenção envolve principalmente dois sentidos: a visão e a audição. “Assim, não poderiam dirigir pessoas cegas, pois não veriam os ambientes interno e externo do veículo; pessoas alcoolizadas, pela lentidão para processar os variados estímulos e realizar as ações pertinentes a eles, além do grande risco de dormir ao volante; pessoas com sonolência excessiva, como nas apneias do sono, onde a sonolência funciona como embriaguez; pessoas sob efeito de medicamentos ou drogas que comprometam o estado de alerta; pessoas com crises epilépticas não controladas, mesmo que sejam espaçadas, pois podem ocorrer no volante. Teriam risco aumentado as pessoas surdas, pois não ouviriam uma buzina, uma freada brusca, um apito de trem ou de policial, um alerta de passageiro do veículo; as com alterações cognitivas pela dificuldade e/ou impossibilidade de processar os estímulos; as com determinadas alterações motoras, como sequelas de AVC e Doença de Parkinson, pelas limitações inerentes; as com alterações psiquiátricas mais sérias (principalmente do humor e comportamento).”

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/acontecendo-no-transito/manter-a-atencao-no-transito-salva-vidas

Sem comentários

Você sabia que quase metade das internações da Rede SARAH são ocorrências de trânsito?

Rede Sarah - Acidentes de trânsito

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os Acidentes de Trânsito foram a primeira causa externa de internação, com 49,4% dos casos. As Agressões (incluindo: arma de fogo, arma branca e agressão física) constituem a segunda causa externa de internação, 23,3% dos casos. Aparecem ainda, como causas externas nessa pesquisa, as Quedas, 14,6%, os Acidentes com Mergulho, 4,2%, e os Impactos por Objetos Pesados, 2,2%, entre outras, 6,3%. (pesquisa do primeiro semestre de 2014)

Com esses estudos é possível planejar e manter a qualidade do atendimento aos pacientes, bem como subsidiar, com dados estatísticos, as campanhas do Programa de Educação e Prevenção de Acidentes da Rede SARAH.

*Fonte: Rede SARAH

Sem comentários

Ação Social na Granja Guarani – Dia das Crianças

Dia das criancas - Granja guarani

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A convite da Associação de Moradores da Granja Guarani (AMAGG), participamos nesse dia 12 de Outubro de 2014 dia das crianças de uma ação social com a participação de muitas crianças e seus responsáveis. Levamos muita diversão, músicas e educação com o agente do bem “Edu”. Clubinho Salva Vidas, um novo conceito de educação!

No amor de uma criança tem tanta canção pra nascer, carinho e confiança, vontade e razão de viver.

Sem comentários

Ação Social no Bairro de São Pedro Dia das Crianças

Dia das criancas - Bairro de Sao Pedro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A convite da TERE-FM, participamos nesse dia 12 de Outubro de 2014 dia das crianças de uma ação social no bairro de São Pedro com a participação de muitas crianças e seus responsáveis. Levamos muita diversão, músicas e educação com o agente do bem “Edu”. Clubinho Salva Vidas, um novo conceito de educação!

Ser criança é perseguir a felicidade sem se importar com a idade. Feliz Dia das Crianças!

Sem comentários

O TRÂNSITO É NOSSO – CLUBINHO SALVA VIDAS

“>

Cadastre-se gratuitamente clicando aqui: http://www.clubinhosalvavidas.com.br/
Curta nossa Fan page: https://www.facebook.com/clubinhosalv…
Pequenas lições como usar o cinto de segurança, atravessar a rua na faixa de pedestre, não jogar lixo no chão, olhar sempre para os dois lados antes de atravessar e estar acompanhado de um adulto na rua, pode ajudar a salvar milhares de vidas e transformar crianças em cidadãos mais conscientes e responsáveis.

Sem comentários

Número de indenizações por mortes de crianças no trânsito cai 27% mas, pagamentos por invalidez sobem 24%

crianca-no-carro_web

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dados são do 1º semestre. Em média, DPVAT pagou 6 indenizações diárias por morte de crianças

As indenizações por morte de crianças em acidentes de trânsito no Brasil recuaram para 1.088 no primeiro semestre deste ano, uma queda de 27% ante as 1.502 pagas no mesmo período de 2013, informa a Líder-DPVAT, que administra o seguro obrigatório de veículos no país.

De acordo com o diretor-presidente da seguradora, Ricardo Xavier, o recuo reflete a disseminação do uso da cadeirinha infantil, que se tornou obrigatório em 2010, e também a redução da velocidade média nas principais estradas e vias urbanas.

Mesmo assim, a média de indenizações pagas mortes de crianças até 14 anos foi de 6 ao dia. Além disso, as indenizações por invalidez permanente nessa faixa etária subiram 24% em relação ao ano passado, chegando a 9.268 coberturas nos seis primeiros meses de 2014. “É sempre um dado lamentável perceber a quantidade de crianças vitimadas pelo trânsito brasileiro”, afirmou Xavier.

Moto supera carro
Neste ano, as motocicletas passaram a ser mais perigosas do que os carros. Segundo a pesquisa, veículos de duas rodas foram responsáveis por 48% das indenizações envolvendo crianças no primeiro semestre, enquanto os carros somaram 44%. Em 2013, a situação era invertida, com 51% dos acidentes provocados por carros e 40% pelas motos.

Ainda conforme o estudo, em 54% dos casos que geraram indenização neste ano a criança não estava no veículo, mas sim na rua, como pedestre.

O Norte e o Nordeste concentram 48,5% das indenizações envolvendo crianças, mesmo com apenas 21% dos veículos no Brasil.

Estas são as únicas regiões onde o pagamento por mortes em acidentes com moto predominou no primeiro semestre deste ano em relação aos causados por automóveis.

Fonte: Revista Auto Esporte

Sem comentários

Consumo de álcool associado à direção reduz 45% após lei seca

Bebida_x_direção_2_Georgios_Kollidas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um estudo do Ministério da Saúde revela que a frequência de adultos que dirigem após o consumo abusivo de álcool foi reduzida em 45% em sete anos. O índice passou de 2% em 2007, para 1,1% em 2013. A redução mostra uma mudança significativa nos hábitos da população após a aprovação das duas edições da lei seca (2008-2012), tornando mais rígida a proibição do consumo de álcool associado à direção. Os dados são da pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) do Ministério da Saúde, que entrevistou 52,9 mil pessoas maiores de 18 anos durante o ano de 2013.

A coordenadora de Vigilância de Agravos e Doenças Não Transmissíveis do Ministério da Saúde, Deborah Malta, explica que a redução significativa pode ser atribuída ao rigor da legislação, implantada pelo Governo Federal. “Uma lei mais rígida, mexe com o comportamento da população de todo o país”, destaca a coordenadora.

De acordo com o estudo, houve uma queda de 47% no consumo de bebidas alcóolicas entre os homens associado à direção. De 4,0% em 2007 para 2,1% em 2013. Já entre as mulheres, este percentual se manteve estável 0,3 no mesmo período. A pesquisa identificou também queda de 62% no consumo de álcool relacionado ao volante na faixa etária de 35 a 44 anos, passando de 2,1% para 0,8%. Houve ainda uma redução no consumo de álcool quando se trata do número de anos de escolaridade. Entre pessoas com mais de 12 de escolaridade, a redução passou de 2.8% para 1.7%.

 Os dados apontam ainda diminuição no consumo de álcool associado à direção entre os homens nos estados: Salvador, Maceió, Macapá, Porto Velho, Palmas e Belo Horizonte. E um aumento significativo entre as mulheres, de 0.1 para 0.4% entre 2007 e 2013 em São Paulo. Já entre os homens, o consumo em São Paulo registrou 2.9%.

Foram encontradas também diferenças entre as regiões entre homens e mulheres. Na região Norte a redução foi 54% – passando de 2.2% para 1.0% – e no Nordeste de 50% – de 2.4% para 1.2%. Na região sul, a queda de consumo de álcool associado ao volante foi de 47% – de 2.1% para 1.1%; na região Centro-Oeste a diminuição foi de 40% – passando de 3.0% para 1.8% – e no Sudeste também foi 40%, de 1.5% para 0.9%.

ACIDENTES: No Brasil, a violência no trânsito é uma das principais causas de mortes. Em 2012, 44.812 mil pessoas perderam a vida no trânsito Essa violência reflete diretamente no Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2013, foram registradas 169.869 mil internações no SUS relacionadas a acidentes de trânsito, o que representou um custo de mais de 229 milhões de reais.

Com o objetivo de reduzir as mortes e número de pessoas feridos em decorrência de acidentes no trânsito, em junho de 2010, o Ministério da Saúde implantou o Projeto Vida no Trânsito. Entre suas as ações está a realização de campanhas educativas e a qualificação dos sistemas de informação sobre acidentes, feridos e vítimas fatais. Com o banco de dados atualizado, os gestores de saúde podem identificar os fatores de risco e as vítimas mais vulneráveis nos respectivos municípios, assim como os locais onde o risco de acidente é maior. Desde a implantação do Vida no Trânsito, já foram liberados cerca de R$ 41,3 milhões para as atividades do projeto.

LEI SECA: Para inibir o consumo de bebidas alcóolicas antes de dirigir, em dezembro de 2012, o Governo Federal sancionou e tornou mais rígida a Lei 12.760, conhecida como Lei Seca. A medida autoriza o uso de testemunhos, exame clínico, imagens e vídeos como meios de provas para confirmar a embriaguez de motoristas. Quem for pego dirigindo sob influência de álcool ou outra substância psicoativa terá a carteira de habilitação recolhida e o veículo retido. O motorista está sujeito à multa, no valor de R$ 1.915,40, e à suspensão do direito de dirigir por 12 meses. O valor da multa dobrará em caso de reincidência.

Fonte: Vera Stumm/Agência Saúde

Sem comentários